Organização inicia força-tarefa para acertar datas da Olimpíada

esportes
26.03.2020, 13:26:00
Atualizado: 26.03.2020, 13:26:22
O chefe do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, Toshiro Muto (AFP)

Organização inicia força-tarefa para acertar datas da Olimpíada

Uma primeira reunião entre os dirigentes foi feita em Tóquio nesta quinta-feira (26)

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Dois dias depois do anúncio do adiamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio-2020, o Comitê Organizador começou nesta quinta-feira (26) os trabalhos da força-tarefa para a realização dos eventos em 2021. Uma primeira reunião entre os dirigentes foi feita na capital japonesa e o que ficou estabelecido é que a primeira providência é definir as datas das aberturas das Olimpíadas e das Paralimpíadas.

"Temos que decidir quando serão as cerimônias de abertura das Olimpíadas e Paralimpíadas. Sem isso, há muitas coisas que simplesmente não podemos fazer. Haverá custos adicionais com isso. Estamos lidando com adiamento dos Jogos, algo que nunca aconteceu na história. É uma tarefa assustadora", disse Toshiro Muto, CEO de Tóquio-2020.

De acordo com o Comitê Organizador e o Comitê Olímpico Internacional (COI), através das palavras do presidente Thomas Bach, a realização dos Jogos em 2021 precisa acontecer até o final do verão no hemisfério norte, que vai de 21 de junho até 22 de setembro. Mas não está descartada a disputa em um período anterior a esse.

Para Yoshiro Mori, ex-primeiro ministro e atual presidente do Comitê Organizador, a ideia é se concentrar nos desafios que o Japão irá enfrentar para a realização dos Jogos em uma data diferente da prevista, que era de 24 de julho a 9 de agosto deste ano.

"Em suma, o que estamos trabalhando há sete anos chegou a um ponto crítico quando estava prestes a começar. E agora temos que reconstruí-lo novamente. Vamos ter que remontar em seis meses o que fizemos em sete anos, por isso será difícil. Tomar decisões sem problemas será crucial", afirmou.

O adiamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos pode acarretar um custo adicional de US$ 2,7 bilhões (cerca de R$ 13 bilhões). "Com certeza haverá custos. O valor, contudo, não sabemos agora. E quem vai pagar isso? Não preciso dizer que não serão discussões fáceis e não sabemos quanto tempo vão durar", comentou Toshiro Muto.

Segundo Thomas Bach, o primeiro ministro japonês Shinzo Abe se responsabilizou por resolver o problema. "Vai ser um custo adicional para os japoneses. Mas o primeiro ministro Abe se comprometeu a fazer tudo o que for preciso. Todos foram impactados, jornalistas, atletas. Temos de fazer desses Jogos um símbolo de união", disse o dirigente alemão.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas