Pesquisa sobre a Baía de Todos os Santos integra obra acadêmica internacional 

sustentabilidade
26.11.2017, 06:00:00
(Professora Olívia Oliveira é lidera o grupo de pesquisa (foto: divulgação))

Pesquisa sobre a Baía de Todos os Santos integra obra acadêmica internacional 

Artigo do Grupo de Pesquisa Remediação de Áreas Impactadas por Petróleo, da UFBA, compõe o livro Oil Spill Environmental Forensics Case Studies (Estudos de Casos Forenses Ambientais de Derrames de Petróleo) 

Remediar áreas costeiras afetadas por derramamentos de petróleo e seus derivados, em particular na Baía de Todos os Santos (BTS), sede da Amazônia Azul, é um dos principais objetivos do Centro de Excelência em Geoquímica do Petróleo do Instituto de Geociências (IGEO) da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Recentemente, um artigo desenvolvido pelo grupo foi incluído como capítulo em uma  em importante publicação internacional, o livro Oil Spill Environmental Forensics Case Studies (Estudos de Casos Forenses Ambientais de Derrames de Petróleo).
 
O artigo Investigation of Hydrocarbon Sources and Biotechnologies Applications in Todos os Santos Bay, Brazil (Investigação de Fontes de Hidrocarbonetos e Aplicações de Biotecnologias na Baía de Todos os Santos, Brasil) relata mais de uma década de trabalho do Grupo de Pesquisa "Remediação de Áreas Impactadas por Petróleo", liderado pela professora Olívia Maria Cordeiro de Oliveira. O trabalho é assinado também pelos pesquisadores Antônio Fernando de Souza Queiroz, Ícaro Thiago Andrade Moreira, Danúsia Ferreira Lima, Carine Santana Silva e a colombiana Claudia Yolanda Reyes.
 
“Essas pesquisas têm como característica geral estudos geoquímicos marinhos que embasam e fundamentam processos que visam desenvolver bioprodutos de remediação a nível laboratorial e de bancada, com vistas a promover procedimentos práticos de recuperação de áreas afetadas por derramamentos de petróleo e/ou seus derivados”, explica a professora Olívia Oliveira. 

Segundo a especialista, espera-se que se as técnicas biotecnológicas forem utilizadas de uma forma sequenciada, aumentará significativamente a degradação – nas áreas afetadas - das diferentes concentrações e composições do petróleo em menor tempo.
  
“Assim, almeja-se a geração de produtos tecnológicos eficientes, economicamente viáveis e de fácil aplicação em áreas costeiras impactadas por atividades petrolíferas, que possa, ainda, aumentar a qualidade de vida das comunidades e ecossistemas influenciados por essas ações industriais”, acrescenta Olívia Oliveira. 

Tecnologia inédita 

O capítulo recentemente lançado no livro Oil Spill Environmental Forensics Case Studies tem foco na BTS, no entanto, o Grupo de Pesquisa já desenvolveu atividades relacionadas à essa temática em outras regiões costeiras do estado da Bahia. “A eficiência dos bioprocessos testados só foi alcançada após o aprofundamento de estudos microbiológicos, da biogeoquímica do petróleo e de sistemas de remediação aperfeiçoados para simular condições ambientais aproximadas do ambiente desejado”, destaca a líder do grupo de pesquisa.
 
Segundo Olívia Oliveira, as vantagens das biotecnologias desenvolvidas é que as mesmas são únicas no mundo. “Podem ser aplicadas em diferentes matrizes ambientais provenientes de ambientes costeiros, utilizando diferentes tipos de petróleo. Também podem ser aplicadas em condições in situ e in vitro. Os sistemas desenvolvidos são controlados e têm a possibilidade de serem redimensionados para situações ambientais diferentes”, completa.
 
BTS
 
A relevância dos estudos está no fato de levar em conta a BTS, maior baía brasileira e a segunda mais extensa do mundo (atrás apenas do Golfo de Bengala). Além disso, ela está cercada por uma das maiores áreas metropolitanas do país, onde vivem cerca de 3,6 milhões de habitantes que desenvolvem atividades de pesca, culturais e desportivas em meio a uma densa industrialização, que impacta na degradação dos ecossistemas costeiros.   

Atualmente, a BTS abriga o maior complexo petroquímico do hemisfério sul; indústrias associadas com produtos químicos, metais, alimentos e fertilizantes, além de grandes portos para exportação de produção nacional, aponta a professora. 

Resultados 

De acordo com Olívia Oliveira, os resultados dos estudos do grupo de pesquisa poderão minimizar problemas relacionados à saúde pública. “Visto que com a remediação do ambiente contaminado, cessaria esta via de contaminação que afeta o ecossistema local, possibilitando a redução de custos com recuperação de áreas com estas problemáticas e conferindo qualidade de vida às populações afetadas localmente”, argumenta.
 
Na visão da especialista, essas contribuições também podem ajudar a propiciar maior oferta de emprego, renda, saúde, educação e saneamento, além de auxiliar na compreensão do comportamento das espécies em estudo e de sua eficiência na degradação dos hidrocarbonetos presentes na área.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas