PF acha 583 kg de cocaína em fazenda de prefeito de cidade no Pará

brasil
09.07.2019, 20:22:00
(Foto: Polícia Federal/Divulgaçao)

PF acha 583 kg de cocaína em fazenda de prefeito de cidade no Pará

Político nega relação e afirma que avião que levava droga estava com empresário

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Polícia Federal apreendeu 583 kg de cocaína na fazenda do prefeito de Itaituba (PA), Valmir Climaco (MDB). Essa é a maior apreensão da droga esse ano no Pará. A cocaína seguiria em rota para o Nordeste e para a Europa, de acordo com reportagem da Folha de S. Paulo.

A droga foi apreendia em operação na tarde do domingo (7). A PF monitorou um voo suspeito e acabou chegando à fazenda, que fica próxima à rodovia Transamazônica (BR-230) e a cerca de 45 km de Itaituba, cidade comandada por Climaco.

Na hora, cinco homens estavam transferindo a droga para um veículo. Dois foram presos em flagrante e três conseguiram fugir. Além da cocaína, no local foram apreendidos dois fuzis, uma pistola, munição e 200 gramas de skunk, uma maconha que tem concentração maior de THC. Um monomotor e um bimotor estavam na fazenda.

A fazenda do prefeito é reivindicada por índios mundurucu. No mês passado, ele chegou a dizer que "receberia à bala" funcionários da Fundação Nacional do Índio (Funai) que fossem até o local. A informação foi passada em relatos feitos ao Ministério Público. Climaco nega ter dito isso, mas afirmou que impediria de fato que a Funai entrasse na fazenda. ("Não entra de jeito nenhum"), afirmou à Folha. Os funcionários da Funai foram ao local há cerca de duas semanas, escoltados pela PF. 

O prefeito não foi preso na operação que apreendeu a droga - a PF diz que não há conexão entre ele e a droga até agora, diz o órgão. 

Em entrevista à Folha, Climaco negou relação com o tráfico e contou que o avião apreendido seria de um empresário, Edson Wander Silva, que estava comprando dele um dos seus três garimpos de ouro. A venda foi fechada por R$ 4 milhões e um dos aviões apreendidos serviria de entrada. O político diz que a negociação foi registrada em cartório. O avião foi transferido para Climaco, mas na semana passada, diz, o antigo dono pediu emprestado para viajar e visitar o sogro doente.

Pensei que ele estava viajando com o avião pra Manaus. Aí quando foi no domingo à noite a mulher do vaqueiro ligou dizendo que a PF tinha apreendido um bocado de droga, dois aviões, essa história que você já viu”, diz Climaco. “Na segunda-feira de manhã, fui à PF contar essa história. Não tenho nada a ver com isso", garante.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas