Pirelli lança pneu que veda o furo sozinho, produzido em Feira de Santana

autos & etc
06.11.2021, 16:00:00

Pirelli lança pneu que veda o furo sozinho, produzido em Feira de Santana

E mais: Hyundai Creta é o mais vendido na Bahia e Fiat Argo lidera no mercado nacional
Acompanhei a perfuração de alguns pneus com até 10 furos de 4 mm e a vedação aconteceu (Foto: Pirelli)

A Pirelli apresentou atualizações para a linha Cinturato P7 e Scorpion, incluindo a série HT. No entanto, o destaque é uma nova tecnologia que veda furos sem a necessidade de intervenção externa.

O novo sistema, batizado de Seal Inside estará disponível em breve para diversos modelos da marca, abrangendo pneus de aro de 16 até 19 polegadas em 20 medidas distintas.

Diferentemente do que acontece com um pneu run flat, que pode rodar vazio por ter a carcaça do pneu mais resistente, o Seal Inside não precisa de uma roda específica e será mais barato, custando no máximo 15% a mais que um equipamento convencional - o run flat custa pelo menos 30% a mais.

Com o Seal Inside, quando um pneu é perfurado, o material selante é incorporado ao objeto que causou o furo
Com o Seal Inside, quando um pneu é perfurado, o material selante é incorporado ao objeto que causou o furo
Quando o objeto é removido, o material se move para o orifício, vendando a saída de ar
Quando o objeto é removido, o material se move para o orifício, vendando a saída de ar

Produzida no Brasil, na fábrica de Feira de Santana, a tecnologia permite que o veículo continue rodando e evita a perda de pressão de ar dos pneus em casos de perfurações por um objeto de até 4 milímetros de diâmetro localizado na banda de rodagem, como um prego, por exemplo.

Quando o pneu é perfurado, imediatamente uma massa vedante incorpora-se ao objeto causador da perfuração, impermeabilizando todo o seu contorno, caso ele permaneça no pneu. Quando esse objeto é removido do pneu, a massa vedante é “arrastada” para o interior do orifício, selando a perfuração.

UPGRADE NO CORVETTE
A última geração do Chevrolet Corvette foi revelada há dois anos, quando o carro esporte, pela primeira vez, adotou um motor traseiro. Agora, a marca já anunciou a linha 2023 da configuração Z06, que terá o motor aspirado mais potente do mundo.

Além de evoluções estéticas e de acabamento próprio da versão, como a dianteira e traseira com visual exclusivo, o Corvette Z06 tem entre os destaques o propulsor V8 de 5.5 litros.

O Corvette Z06 2023 ostenta o motor de aspiração natural mais potente do mundo (Foto: GM)

Com aspiração natural, ou seja, sem utilizar nenhuma turbina, esse motor rende 679 cv de potência aos 6.800 giros, tornando-se assim o carro de produção em série mais potente do mundo.

O torque máximo, oferecido aos 6.300 rpm, é de 63,5 kgfm. A montagem artesanal desse propulsor é feita na histórica fábrica da General Motors em Bowling Green, em Kentucky, nos Estados Unidos.

A aceleração de 0 a 100 km/h e a velocidade máxima ainda não foram reveladas.

BALANÇO DE OUTUBRO
Foram emplacados em outubro 150.079 automóveis e comerciais leves no país, volume 5,44% superior a setembro e 26,87% menor do que em outubro de 2020. Nesse cenário, a Fiat liderou o último mês com 19,59% de participação nas vendas, o que equivale a 29.397 veículos.

A Volkswagen ficou com a segunda posição com o licenciamento de 25.999 unidades, equivalente a 17,32% do total. A Chevrolet teve 19.091 exemplares emplacados, o correspondente a 12,72% das vendas, e ficou em terceiro lugar.

Da terceira a décima posição ficaram: Hyundai (8,97%), Jeep (8,82%), Toyota (8,45%), Renault (5,02%), Honda (4,39%), Nissan (3,02%) e Caoa Chery (3,02%). A diferença da Nissan para a Caoa Chery foi de um veículo.

OS MAIS VENDIDOS
Entre os veículos de quatro rodas, destaque para os modelos do grupo Stellantis com as quatro primeiras posições. Em outubro, foram emplacadas 8.381 unidades do Fiat Argo, que foi seguido pelo Jeep Renegade (6.723) e Fiat Strada (6.130).

O Argo, hatchback da Fiat, foi o zero-quilômetro mais emplacado no país em outubro (Foto: Antônio Meira Jr./CORREIO)

A empresa conseguiu colocar ainda o Jeep Compass na quarta posição com 6.097 veículos.

O Volkswagen T-Cross (6.008) ficou em quinto. Da sexta à décima posição ficaram: Hyundai HB20 (5.844), Hyundai Creta (5.492), Fiat Toro (5.187), Chevrolet Onix (5.157) e Volkswagen Gol (5.039).

MARCAS PREMIUM
Entre as marcas de luxo, a BMW liderou as vendas em outubro e somou 1.181 emplacamentos, o que equivale a 0,79% do mercado de automóveis e comerciais leves no último mês.

A segunda posição ficou com a Volvo, com 635 unidades licenciadas, e, em terceiro lugar, está a Audi, que somou 505 unidades.

A Land Rover (296) ficou com a quarta posição e a Porsche (177) a quinta. A Mercedes-Benz não teve um bom mês e totalizou apenas 153 automóveis zero-quilômetro emplacados em outubro em todo o mercado brasileiro.

VENDAS NA BAHIA
Foram emplacados 4.846 automóveis e comerciais leves novos na Bahia no último mês, volume 13,60% inferior ao obtido em setembro e 34,73% menor do que o realizado em outubro de 2020.

O licenciamento de motos novas também caiu de 6.781 unidades em setembro para 6.028 no mês passado.

MERCADO ESTADUAL
Na Bahia, um líder inédito, o Hyundai Creta. O SUV totalizou 300 unidades emplacadas em outubro, ficando na frente de duas picapes da Fiat: Strada (255) e Toro (252).

O Hyundai Creta foi o modelo mais licenciado na Bahia no último mês (Foto: Antônio Meira Jr./ CORREIO)

Na quarta posição vem o Hyundai HB20 (229) e na quinta um empate: o Chevrolet Onix e o Jeep Compass totalizaram 220 unidades cada.

A Toyota Hilux (175) ficou em sexto, o VW T-Cross (162) em sétimo e o Chevrolet Tracker em oitavo.

Em nono, outro empate: Fiat Argo e Jeep Renegade com 145 unidades cada. O Chevrolet Onix Plus (144) foi o décimo.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas