PM nega greve e afirma que policiamento está mantido em toda a Bahia

bahia
08.10.2019, 18:32:00
Atualizado: 08.10.2019, 19:06:03

PM nega greve e afirma que policiamento está mantido em toda a Bahia

Comandante-geral Anselmo Brandão disse que decisão de paralisação é política

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A notícia de que os policiais militares decretaram greve pegou os baianos de surpresa, mas está sendo questionada pelo comando da Corporação. Segundo o comandante-geral da PM, Anselmo Brandão, a mobilização se resume a um grupo de cerca de 300 policiais, a maioria da reserva.

“Quem fez essa declaração de greve foi o deputado Prisco. Ele e 300 policiais, a maioria aposentados, estão causando esse terrorismo na cidade, mas eu garanto que a nossa tropa continuará trabalhando e que estamos atentos a todo e qualquer episódio", disse o coronel Anselmo ao CORREIO.

"Ele (Prisco) está politizando o processo e isso não tem nada a ver. Nós somos técnicos, a tropa tem comando e um comandante que dialoga com a tropa. Não precisamos de interlocutores.  Ele está transformando isso em uma decisão política e não vamos aceitar”, completou. 

O comandante reitera o posicionamento num vídeo divulgado nas redes sociais. Assista.

Em nota, a Polícia Militar ratificou que a greve é um movimento político e que tem a intenção de criar clima de insegurança. A Corporação garantiu que o policiamento será mantido dentro da normalidade.

“A Polícia Militar da Bahia garante o policiamento ostensivo em todo o estado e tranquiliza a população, que deve manter sua rotina normalmente. Reforça que o responsável pelas operações nas ruas é o Quartel do Comando Geral, que está pronto para atender a todas as demandas da sociedade.  Adianta ainda que, os policiais que não atenderem suas escalas responderão conforme Legislação Militar”, diz a nota.

Os policiais estão reivindicando 11 pontos de negociação. Eles dizem que buscaram o governo do estado para uma negociação, mas que não teve resposta.

Procurada, a Secretaria da Administração do Estado (Saeb) ainda não se pronunciou.

Confira os 11 pontos da reivindicação da categoria:

  1. Melhorias do Planserv;
  2. Cumprimento do acordo de 2014;
  3. Solução para os problemas do novo sistema RH;
  4. Reforma do Estatuto;
  5. Código de Ética;
  6. Periculosidade;
  7. Auxílio Alimentação;
  8. Reajuste da CET;
  9. Plano de Carreira;
  10. Cumprimento de ordem judicial
  11. Isenção de ICMS para Aquisição de Arma de Fogo para PMs e BMs.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas