Polícia pede prisão de Cátia Raulino por exercício ilegal da advocacia

salvador
13.10.2020, 12:31:00
Atualizado: 13.10.2020, 12:47:39
(Reprodução)

Polícia pede prisão de Cátia Raulino por exercício ilegal da advocacia

Mulher responderá por estelionato, falsificação ideológica, plágio e exercício irregular da profissão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Polícia Civil pediu nesta terça-feira (13) a prisão preventiva de Cátia Raulino, suposta jurista que exercia a advocacia ilegalmente em Salvador.

De acordo com o delegado ACM Santos, que investiga o caso, o inquérito será concluído ainda hoje e remetido ao Ministério Público da Bahia (MP-BA), que dará prosseguimento ao caso.

"A conclusão é que Cátia Raulino não tem diploma de bacharel na universidade do Maranhão onde alegava ser formada. Foi dado todo esse período para que ela pudesse apresentar um diploma, o que não ocorreu. Já temos certeza absoluta que na faculdade que ela diz ser formada, ela não tem diploma", disse o delegado, que acrescentou ainda que Raulino responderá por cinco crimes.

"A partir do momento que está claro que ela nãoé uma bacharel, ela é tipificada no crime de estionato, pois ela obteve vantagem em cursos e lives que ela cobrava, como se fosse bacharel. Além disso, responderá pelo uso de documentos falsos para ser admitida nas faculdades, exercício irregular da profissão do Direito, falsidade ideológica por ter inserido dados que não eram verdadeiros em documentos públicos e crime cibernético, que precisa de provas mais concretas, por isso foi solicitada uma busca nos equipamentos eletrônicos dela", completou.

Cátia Raulino, além de ter atuado como professora e coordenadora do curso de Direito da Centro Universitário Ruy Barbosa (UniRuy Wyden), a mulher também atuou por quase um ano em um cargo de confiança do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). 

De acordo com o TJ-BA, a mulher ocupou o cargo temporário de supervisora no local de fevereiro de 2013 a janeiro de 2014. Não foi informado, no entanto, em que setor ela atuava.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas