Preços de remédios têm reajuste de até 2,84% a partir de hoje

saúde
31.03.2018, 08:57:06
Atualizado: 31.03.2018, 09:08:10

Preços de remédios têm reajuste de até 2,84% a partir de hoje

Reajuste será de 2,09%, 2,47% ou 2,84%, e varia conforme o tipo do medicamento

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O reajuste de até 2,84% no preço dos remédios para 2018, começa a partir deste sábado (31). O aumento foi publicado em edição extraordinária do Diário Oficial da União (DOU) de quinta-feira (29), em resolução da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed).

O reajuste será de 2,09%, 2,47% ou 2,84%, e varia conforme o tipo do medicamento. Os índices estão abaixo da inflação de 2017, que fechou o ano em 2,95%.

O Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma) destacou em nota que, pelo segundo ano consecutivo, o reajuste dos medicamentos ficou abaixo do esperado. De 2013 a 2017, afirma a entidade, a taxa acumulada do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 36,48% ante 32,51% dos reajustes médios autorizados pelo governo para remédios.

“A indústria farmacêutica tem conseguido segurar seus preços, apesar do expressivo aumento dos custos de produção nos últimos anos”, disse o presidente do Sindusfarma, Nelson Mussolini. No ano passado, o aumento autorizado também ficou abaixo da inflação, de 4,76%, frente a um IPCA de 6,29% em 2016.

O sindicato explica que o reajuste atualiza a tabela de Preços Máximos ao Consumidor (PMC) e não provoca aumentos automáticos nem imediatos nas farmácias e drogarias. Segundo a entidade, cerca de 13 mil apresentações de medicamentos disponíveis no mercado varejista brasileiro devem ser atingidos pelo reajuste.

Além da inflação medida pelo IPCA, a fórmula de cálculo oficial para o reajuste leva em conta a produtividade da indústria farmacêutica, concorrência, câmbio e energia elétrica.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas