Procon vai investigar se houve reajuste abusivo no preço da gasolina

salvador
03.05.2018, 20:34:21
Atualizado: 03.05.2018, 22:40:27

Procon vai investigar se houve reajuste abusivo no preço da gasolina

Órgão fará ações para identificar possíveis irregularidades em postos de Salvador

Os consumidores reclamaram e o aumento no preço da gasolina chamou a atenção também da Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-BA), informou o superintendente do órgão na Bahia, Filipe Vieira. Em entrevista ao CORREIO, nesta quinta-feira (3), ele explicou que a instituição precisa ser provocada, e, ante isso, promete providências para verificar se os postos apresentam irregularidades.

“O consumidor pode fazer uma denúncia por meio do Procon-BA mobile (aplicativo do órgão) ou pelo e-mail procon@sjdhds.ba.gov.br. A partir do volume de denúncias, o órgão pode informar a situação ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica)”, afirmou.

Foto: Mauro Akin Nassor/ Arquivo CORREIO

Reajuste em alguns postos foi de mais de R$ 0,70 de um dia para o outro (Foto: Mauro Akin Nassor/ Arquivo CORREIO)

Vieira disse ainda que o Procon não tem a função de estabelecer preço final; o objetivo é fiscalizar possíveis irregularidades no preço e na qualidade do produto.

“A função prioritária do Procon não é ver o preço cobrado, mas sim como é cobrado”, indicou ele, ao ser questionado sobre a possível formação de cartel entre os donos de postos.

“Com informações dos consumidores, eu poderia representar ou mandar um ofício para pedir a atuação do MP (Ministério Público), da ANP (Agência Nacional de Petróleo) ou Cade. É algo que pode acontecer”, completou.

O superintendente anunciou também que, após as reclamações de consumidores em ocasiões anteriores, o Procon já informou ao Cade, o qual tem a função de regular a situação.

Aumento abusivo
Nos próximos dias, o órgão de defesa do consumidor prevê uma atuação conjunta com outras instituições, como Delegacia do Consumidor, ANP e Ibametro, para investigar as possíveis violações de preço do produto, como aumento abusivo, a qualidade da gasolina, a precisão da bomba de gasolina e até as lojas de conveniência dos postos. 

As multas em caso de irregularidades podem variar de R$ 600 a R$ 6 milhões, ainda de acordo com o Procon.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/temer-ressalta-forca-e-estabilidade-das-instituicoes-em-pronunciamento/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sessao-do-tj-ba-e-suspensa-apos-confusao-e-retirada-de-advogado/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/confira-o-clipe-da-cantora-argentina-lali-em-parceria-com-pabllo-vittar/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/voce-sabia-que-o-ford-mais-vendido-na-america-do-sul-e-feito-na-bahia/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mostra-multimidia-homenageia-os-40-anos-do-correio/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/igreja-transmite-momento-em-que-pastor-e-baleado-em-culto-veja/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/camera-de-shopping-flagrou-conversa-de-empresario-que-matou-jogador-e-testemunhas/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/prepare-a-maratona-cinco-series-da-netflix-para-ver-apos-o-enem/