Produção de veículos e alimentos causa queda na indústria baiana em setembro

bahia
09.11.2018, 10:38:22
Atualizado: 09.11.2018, 13:32:14

Produção de veículos e alimentos causa queda na indústria baiana em setembro

Dados foram divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira (9)

A produção industrial baiana caiu 3,3% em setembro, segundo a Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física (PIM-PF) Regional, divulgada nesta sexta-feira (9) pelo IBGE. O recuo foi o terceiro maior entre os 15 locais pesquisados, e ficou apenas atrás de São Paulo (-3,9%) e Amazonas (-5,2%).

O índice foi o pior que a média nacional, de -1,8%, e ainda acompanhou  o movimento de queda registrado em sete áreas. Nessa comparação, os melhores resultados da indústria foram registrados no Ceará (3,7%), Pará (3,5%) e em Pernambuco (1,7%).

Em comparação a setembro de 2017, a produção industrial baiana também caiu (-2,6%), após ter crescido por três meses seguidos. Teve desempenho pior que a média nacional (-2%) e também acompanhou o movimento de retração verificado em sete dos 15 locais pesquisados.

De acordo com o IBGE, o recuo de 2,6% na produção industrial da Bahia, comparado a  setembro de 2017, foi resultado do desempenho negativo da indústria de transformação (-2,9%), com quedas em 7 das 11 atividades pesquisadas separadamente no estado. A indústria extrativa (3,4%), por sua vez, teve alta.

Os principais impactos negativos para a indústria do estado vieram justamente dos setores que mais haviam puxado para cima a produção em agosto: veículos automotores, reboques e carrocerias (-12,7%), com quedas em todos os produtos, inclusive os automóveis; e produtos alimentícios (-11,2%), com influência da menor fabricação de açúcar cristal e de produtos à base de soja.

Os dois segmentos apresentaram recuos após três meses de importantes altas para a atividade industrial no estado, sobretudo as do setor de veículos. Ainda assim, se mantêm positivos no acumulado em 2018, com crescimentos de 20,3% (veículos) e 4,5% (alimentos).

O recuo da atividade fabril em geral na Bahia só não foi maior em setembro porque setores de peso na estrutura industrial do estado tiveram altas. Foi o caso da Fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (+2,6%), que teve o primeiro aumento de produção em quase um ano (desde outubro de 2017), e da Metalurgia (+7,9%).


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sandy-lanca-musica-em-parceria-com-iza-ouca/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/hbo-dos-eua-estreia-a-amiga-genial-adaptacao-do-romance-de-elena-ferrante/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/autor-de-latrocinio-contra-o-assessor-michel-e-preso-em-santa-catarina/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/atriz-instala-cameras-em-quarto-para-gravar-agressoes-do-marido-veja/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/webserie-inspira-empreendedores-assista/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/o-ultimo-a-sair-apaga-a-luz-do-othon-hotel-ja-esta-sem-nenhum-hospede/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/piloto-alema-de-17-anos-sofre-acidente-grave-e-sera-operada/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/temer-ressalta-forca-e-estabilidade-das-instituicoes-em-pronunciamento/