Projeto pouco conhecido do SUS imuniza de graça pessoas com comorbidades

salvador
29.06.2021, 05:30:00
No CRIE, pacientes têm acesso a vacinas, soros e imunoglobulinas que não são oferecidas nas UBS ou são restritas a algumas faixas etárias (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Projeto pouco conhecido do SUS imuniza de graça pessoas com comorbidades

Pesquisa encomendada pela Pfizer indica que 72% da população de Salvador nunca ouviu falar no serviço dos CRIEs e nem sabe o que são esses centros

O Sistema Único de Saúde tem braços que muita gente sequer faz ideia da existência. Um deles já tem três décadas de história e basicamente serve para faciliar o acesso de pessoas com necessidades de imunização bem específicas aos mais diversos tipos de vacinas, soros e imunoglobulinas que não são oferecidas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou são restritas a algumas faixas etárias.

O nome desse serviço é CRIE, sigla para os Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais. Já ouviu falar nisso? Caso a resposta seja negativa, não se espante: essa é a realidade de 72% da população de Salvador, de acordo um levantamento feito pela Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec) para a campanha CRIE Mais Proteção, encomendada a pedido da Pfizer, e que entrevistou 2.000 pessoas na cidade de São Paulo e nas regiões metropolitanas de Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Salvador e Curitiba.

A pesquisa tem nível de confiança de 95% e margem de erro de 2 pontos porcentuais para mais ou menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. De acordo com os dados, 3 em cada 5 brasileiros entrevistados não sabem que indivíduos do grupo de risco têm
direito ao calendário ampliado de vacinas no sistema público de saúde. 

Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabella Ballalai explica que esse desconhecimento pode é fruto de uma baixa divulgação dos CRIEs pelo Ministério da Saúde e isso gera um efeito cascata: as informações mais profundas sobre imunização não fazem parte do currículo convencional dos médicos, que, por sua vez, entram no mercado sem conhecer essa iniciativa e não encaminham os pacientes ao CRIEs, onde teriam direito a vacinas e acompanhamento gratuitos.

Uma outra pesquisa encomendada pela Pfizer, elaborada pelo Instituto Ipsos, apontou que um a cada cinco profissionais (21%) nunca ouviu falar do serviço e 36% dos médicos não costumam encaminhar os pacientes de risco para esses locais.

"Os CRIEs existem há mais de 30 anos, é uma loucura ninguém conhecer? A gente está tentando reverter com campanhas de comunicação, a Sociedade Brasileira de Imunização faz muito evento sobre isso, mas sem uma comunicação por parte do Ministério da Saúde fica complicado", afirmou. 

Os CRIEs recebem, para tratamento, gratuito pacientes com doenças crônicas (confira lista completa no final do texto) ou com o sistema imunológico comprometido em decorrência de câncer, imunodeficiências adquiridas como o vírus HIV/AIDS, imunodeficiências congênitas (deficiências da imunidade humoral, combinadas da imunidade celular e humoral, do complemento e da função fagocitária), adquiridas (HIV/Aids), pacientes que realizaram transplantes de órgãos sólidos ou medula, bebês prematuros abaixo de 31 semanas ou com menos de 1kg e pacientes com imunodepressão terapêutica.

Também podem se vacinar nos CRIEs os comunicantes suscetíveis de pacientes com doenças transmissíveis, indivíduos que convivem com imunodeprimidos, profissionais de saúde expostos a riscos, viajantes para áreas endêmicas para doenças imunopreveníveis, alérgicos a soros heterólogos, gestantes suscetíveis a varicela, portadores de patologias hemorrágicas e recém-nascidos prematuros ou de baixo peso.

"CRIEs são centros de referência para imunobiológicos especiais. Falamos que são salas de vacinas especializadas onde disponibilizamos vacina especial para pacientes especiais. Fazemos uma cobertura vacinal mais completa porque esses pacientes têm risco maior de agravamento de doenças", explica a pediatra do CRIE-Ufba, Rafaela Rolim.

O CRIE-Ufba funciona no Centro Pediátrico Professor Hosannah de Oliveira, que fica no Hospital das Clínicas da Universidade Baiana. Foi a primeira das 4 unidades do Centro que existem na Bahia, fundado em 2002, com coordenação da infectologista Jacy Andrade.

Há outros dois CRIEs presenciais: um que funciona no Hospital Couto Maia, também em Salvador, e outro em Vitória da Conquista, que de acordo com a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) atende solicitações do município e a macrorregião Sudoeste. Por fim, há o  CRIE Feira de Santana, que atende virtualmente o município e a macrorregião Centro Leste.

Pacientes que fizeram transplante de medula óssea têm no CRIE um aliado fundamental. Isso porque essas pessoas precisam refazer toda a imunização. Rafaela Rolim explica que o transplante faz o sistema imunológico da pessoa "zerar", é como se virasse criança novamente.

O tratamento não pode acontecer de qualquer maneira, é gradativo. "Tem que iniciar todo o esquema com vacinas que tomou na infância. Começamos com vacinas inativadas, que não tem capacidade de gerar reação ao paciente por ter um sistema imunológico mais frágil", explica.

O acompanhamento dos profissionais do CRIE é importante neste momento por serem especializados em imunologia e infectologia. Sendo assim, conseguem calcular com mais precisão os riscos de cada imunizantes e não expoem os pacientes a vacinas que podem gerar efeitos colaterais mais severos.

Desconhecimento médico
Em Salvador, 68% dos entrevistados disseram que nunca receberam recomendação para tomar alguma vacina depois do diagnóstico de doença crônica. Um número que chama atenção e pode ser arriscado, porque pessoas com doenças imunológicas correm um risco maior de contrair doenças infecciosas e ter complicações. O número é igual à média nacional.

No Brasil como um todo, Além disso, 76% dos respondentes garantem nunca ter ouvido falar dos CRIE. No recorte social, o índice de maior desconhecimento está entre aqueles que mais se beneficiariam do serviço: a classe C (82%). A falta de informação é verificada também entre os profissionais da área de saúde. Do total da amostra que declarou conhecer os CRIE, somente 5% foram informados pelos médicos e igual parcela obteve a informação em hospitais, consultórios, postos ou outras unidades de saúde.

Diretora médica da Pfizer Brasil, Márjori Dulcine afirma que esse último dado chama atenção porque a equipe de saúde é envolvida no atendimento e no tratamento de quem faz parte do grupo de risco e pode impactar positivamente os índices de vacinação.

"Precisamos agir para aumentar a visibilidade tanto para médicos como para a população geral, pois esse é um programa criado para salvar vidas e está sendo subaproveitado por quem mais precisa", disse a diretora médica.

Infectologista pediátrica, especialista em Medicina de Viagem e Vacinas e membro da Diretoria da Sociedade Baiana de Pediatria, Anne Galastri aponta que durante toda a sua formação teve contato com iniciativas como o CRIE e isso se acelerou durante as especializações. A médica acredita que possa existir, na verdade, um desconhecimento de como chegar e encaminhar pacientes para os CRIE.

"Apesar de ser um órgão do Ministério da Saúde, cada Crie tem um horario de atendimento, uma rotina de atendimento diferente.  Não é só o médico quem orienta para a vacina, muitas UBS, agentes de saúde também tem papel fundamental em todo o processo de vacinação dos brasileiros", afirma. 

Infectologista no CRIE-Ufba, Rafaela Rolim explica que a unidade funciona a partir das 7h30, de segunda a sexta. O primeiro turno vai até as 12h e distribui entre 35 e 40 fichas. O segundo turno de atendimentos recebe o mesmo número de pacientes e funciona das 13h às 17h30. Confira endereços e contatos dos CRIE baianos logo abaixo.

CRIEs na Bahia

- Ufba
Endereço: Rua Padre Feijó, s/nº, Canela. Salvador/BA.
Telefone: (71) 3283-8606 e (71) 3283-8307
E-mail: crie.ufba@gmail.com

- Hospital Couto Maia
Endereço: R. Coronel Azevedo, s/nº, Águas Claras. Salvador/BA.
Telefone: (71) 3103-7150 e (71) 3103-7222
E-mail: icom.crie@saude.ba.gov.br

- Vitória da Conquista
Endereço: R. João Pereira, s/nº, Centro
Telefone: (77) 3421-9549 e (77) 3421-8700
E-mail: crievitoriadaconquista@gmail.com

- Feira de Santana
Endereço: Av. Eduardo Froes da Mota, s/nº
Telefone: (75) 3626-5650 e (75) 3626-6457
E-mail: crienrscl@gmail.com

Patologias e casos elegíveis para o uso de imunobiológicos nos CRIEs 

• Asplenia anatômica ou funcional, hemoglobonopatias, disfunção esplênica 
• Doenças de depósito
• Diabetes mellitus
• Doença neurológica crônica incapacitante
• Doenças convulsiva e dermatológica crônicas
• Pneumopatias e cardiopatias crônicas
• Fibrose cística
• Asma persistente moderada ou grave
• Uso crônico de ácido acetilsalicílico • Fístula liquórica
• Hepatopatia e nefropatia crônicas
• Implante coclear

Vacinas disponíveis no CRIE

• Vacina poliomielite 1, 2, 3 (inativada)
• DTP acelular (DTPa) contra difteria, coqueluche e tétano.
• Vacina Haemophilus influenzae do tipo B (HiB)
• Vacina meningocócica conjugada C (MnC)
• Vacina Hepatite A (HA)
• Vacina influenza inativada (INF)
• Vacina varicela (atenuada) VZ
• Vacina pneumocócica conjugada 10 valente (Pn10) e polissacarídica 23 valente (Pn23)
• Vacina hepatite B (recombinante)
• Imunoglobulina humana anti-varicela zoster (IGHVAZ)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas