Segunda seletiva do Afro Fashion Day acontece na Fábrica Cultural

bazar
05.09.2017, 20:39:56
Atualizado: 30.10.2018, 09:34:06

Segunda seletiva do Afro Fashion Day acontece na Fábrica Cultural

Os resultados só serão divulgados no dia 11 de outubro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Mais de 160 pessoas se inscreveram para a seletiva do Afro Fashion Day na Fábrica Cultural (Fotos: Angeluci Figueiredo)

40 candidatos compareceram, às 14h desta terça-feira (5), à segunda seletiva do Afro Fashion Day (AFD), evento organizado pelo CORREIO que, desde 2015, celebra o Dia da Consciência Negra. Com mais de 160 inscritos, o local escolhido para a segunda seleção foi a sede da Fábrica Cultural, instituição presidida pela cantora Margareth Menezes, localizada no Bonfim.

Pela primeira vez, a seleção está sendo feita nos bairros, onde o júri - composto pela curadora e editora de projetos especiais, Gabriela Cruz, a analista de marketing Gabriela Souza e o produtor de moda Fagner Bispo - escolhe os candidatos que irão participar da fase final, no dia 11 de outubro. Além do Bonfim e do Curuzu - bairro que recebeu a primeira seletiva no dia 23 de agosto, na Senzala do Barro Preto - a organização do AFD ainda passa por Plataforma (sem data), Itapuã (20 de setembro) e Cajazeiras (4 de outubro). Podem participar moradores de Salvador e Região Metropolitana que não sejam agenciados. O resultado só será divulgado após a realização de todas as seletivas. 

Amadores

Para Murilo Uema, produtor do AFD, é preciso ter a cara da Bahia para se destacar. “Estamos procurando pessoas que não são profissionais, queremos diversidade”, alegou. A assistente financeira Luana Pinheiro, 26 anos, formada em Administração, nunca teve como primeira opção ser modelo profissional. “É uma vontade que sempre existiu, mas eu nunca fui atrás. Estou aqui para saber como é pisar em uma passarela”, relatou. 

Assim como Luana, Noêmia Saionara, 22, também nunca trabalhou como modelo. Promotora de eventos e estudante de direito, a jovem enxerga no AFD uma oportunidade de aparecer. “É preciso que as mulheres negras ocupem todos os lugares, inclusive a moda. Estamos começando a aparecer nesse ramo, mas ainda é muito pouco”, constatou. 

A empresária, blogueira e militante do movimento negro Josi Maurício foi uma das candidatas

Realização

A estudante Luciana Santos ainda está no ensino médio, mas sempre sonhou com a passarela. Moradora do bairro de São Rafael, com 16 anos e 1,81 de altura, ela já tentou participar de outros concursos, mas nunca conseguiu por conta dos altos custos. “Me cobraram quase 4 mil reais para fazer um book, como não tinha condições, não consegui participar”, contou. Pela primeira vez no AFD, ela comemora o fato do concurso não exigir esse tipo de material. “Isso ajuda muito, nem todo mundo tem dinheiro para essas coisas”, complementa.

Aos 64 anos, Maria dos Reis, que acompanhou a neta, Beatriz Santana, 16, na seletiva, também comemora: “Desde criança ela sempre quis ser modelo, mas eu não posso ajudar em tudo o que ela precisa. É uma grande porta de entrada”. Relembrando a juventude, dona Maria confessa que sempre foi comunicativa e sonhava em trabalhar com o público. Apesar disso, não teve oportunidade de realizar seus desejos. “Espero que a minha neta consiga”, completa.

Empoderamento

Aos 32 anos, a empresária, blogueira e militante do movimento negro, Josi Maurício, acompanha o AFD desde a primeira edição e, neste ano, resolveu participar. “Escolhi ser militante porque quero defender as mulheres. Quero que elas se valorizem e lutem contra o assédio”, declarou. Sobre a sua participação no evento, Josi afirma que vai muito além de apenas subir na passarela. “O Afro mostra exatamente o que a Bahia é: negra. Por mais que a moda branca, das grifes e da alta costura, queira se apropriar da sociedade, precisamos resistir, mostrar que estamos aqui”. E ela não foi sozinha: levou para a seletiva o seu filho, Victor Hugo, de 13 anos. “Quero que ele se sinta motivado a ocupar esse espaço”. 

A terceira edição do AFD, pela primeira vez, será em 18 de novembro. O evento, que sempre aconteceu na Praça da Cruz Caída, no Dia da Consciência Negra, 20 do mesmo mês, também vai mudar de local. O novo espaço ainda não foi divulgado. As inscrições para a próxima seletiva estão abertas. A ficha de cadastro pode ser acessada no site do Afro Fashion Day, clicando aqui.

O Afro Fashion Day é um projeto do CORREIO e tem apoio institucional da Prefeitura Municipal de Salvador.

*Colaborou para o CORREIO

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas