Shoppings reabrem em Salvador com movimento intenso e filas

coronavírus
24.07.2020, 12:15:00
Atualizado: 24.07.2020, 18:05:38
(Gil Santos/CORREIO)

Shoppings reabrem em Salvador com movimento intenso e filas

Centros comerciais estavam sem funcionar desde março

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A reabertura dos shoppings e comércios acima de 200 m² em Salvador contou com filas nesta sexta-feira (24). É a primeira fase da retomada econômica da cidade anunciada pela prefeitura. Com atividades suspensas desde março, os centros comerciais têm uma série de recomendações a seguir para evitar a disseminação da covid-19. 

No Shopping da Bahia, a fila estava enorme, já pouco antes da abertura. Centenas de pessoas esperavam nas duas entradas principais do centro comercial. Às 12h em ponto, de maneira organizada, os clientes começaram a entrar. Algumas pessoas chegaram a comemorar a entrada com gritos de felicidade. Outros literalmente correram para serem os primeiros clientes da loja de interesse, lembrando as cenas da black friday.

Shopping da Bahia
Shopping da Bahia (Tiago Caldas/CORREIO)
Shopping da Bahia
Shopping da Bahia (Tiago Caldas/CORREIO)
Shopping da Bahia
Shopping da Bahia (Tiago Caldas/CORREIO)
Shopping da Bahia
Shopping da Bahia (Tiago Caldas/CORREIO)
Shopping Barra
Shopping Barra (Nara Gentil/CORREIO)
Shopping Barra
Shopping Barra (Nara Gentil/CORREIO)
Shopping Barra
Shopping Barra (Nara Gentil/CORREIO)
Shopping Barra
Shopping Barra (Nara Gentil/CORREIO)
Salvador Shopping
Salvador Shopping (Marina Silva/CORREIO)
Salvador Shopping
Salvador Shopping (Marina Silva/CORREIO)
Salvador Shopping
Salvador Shopping (Marina Silva/CORREIO)
Salvador Shopping
Salvador Shopping (Marina Silva/CORREIO)
Salvador Shopping
Salvador Shopping (Marina Silva/CORREIO)
Salvador Shopping
Salvador Shopping (Marina Silva/CORREIO)
Salvador Shopping
Salvador Shopping (Marina Silva/CORREIO)
Salvador Shopping
Salvador Shopping (Marina Silva/CORREIO)
Salvador Shopping
Salvador Shopping (Marina Silva/CORREIO)
Salvador Shopping
Salvador Shopping (Marina Silva/CORREIO)
Salvador Shopping
Salvador Shopping (Marina Silva/CORREIO)
Shopping Bela Vista
Shopping Bela Vista (Marina Silva/CORREIO)
Shopping Bela Vista
Shopping Bela Vista (Marina Silva/CORREIO)
Shopping Bela Vista
Shopping Bela Vista (Marina Silva/CORREIO)
Shopping Bela Vista
Shopping Bela Vista (Marina Silva/CORREIO)

Teve também quem escondeu o rosto com vergonha das câmeras que filmavam o espaço. Outros nem ligavam: "Tá cheio de filmadora, vou ficar famosa", gritou uma cliente. No total, o Shopping da Bahia pode comportar pouco mais de 1,2 mil pessoas seguindo os protocolos.

Não muito distante, no Salvador Shopping, também teve fila para entrar, com a temperatura de todos os clientes sendo medida. Marcos Santos, 46, é taxista e afirmou que o retorno do shopping é um respiro financeiro e uma chance de voltar a ter renda. "A volta ajuda demais financeiramente porque eu estava mais três meses parado porque não compensava porque não tinha fluxo de pessoas. É um alívio pra gente poder ver essa circulação de pessoas e, consequentemente, pegar mais clientes", relata Marcos, que estava parado em casa há mais de quatro meses.

Um motorista de aplicativo que estava na região do shopping fez avaliação similar. "Estávamos aguardando com muita expectativa a reabertura do comércio em geral e dos shoppings. A pandemia diminuiu nosso movimento em 70%, muito baixo. As pessoas tão com muito receio de se locomover e sair", disse Pedro Bispo, 39 anos, que trabalha como motorista de app há 1 ano e meio. "Com o retorno, na manhã de hoje, o movimento já foi muito bom. Já mostrou uma diferença, praticamente uma manhã normal". Ele fez 12 corridas nesta manhã, mais do que o dobro do que estava fazendo.

No Center Lapa também houve procura grande. Meia hora antes da abertura a fila para entrar no prédio que começava na rua lateral subia em direção à Piedade, dobrava no sentido Nazaré e seguia pela calçada, dando a volta no shopping e continuando até as imediações do prédio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Muita gente reclamou. 

"Meu Deus, isso é a fila? Mainha, vamos deixar para vim outro dia. Está muito cheio", disse uma mulher acompanhada de uma idosa. A recepcionista Marina Ramos, 35 anos, resolveu enfrentar. Usando a bolsa para tentar se proteger do sol ela se justificou. 

"Eu já precisava vim ao Centro para comprar umas coisas para minha mãe, ela é costureira. Aí, aproveitei para comprar o presente do Dia dos Pais, de meu pai e do meu marido. Vou fazer isso logo para não ter que voltar aqui de novo e me expor de novo ao risco", afirmou.

No Shopping Piedade não foi diferente. Pessoas se aglomeram nos portões antes da abertura, mas tiveram que se organizar em duas filas para conseguir entrar. Um segurança aplicava álcool nas mãos dos clientes, outro orientava o público em uma segunda fila para a medição da temperatura, e, então, livre para aproveitar as promoções. Quer dizer, quase isso. As lojas não ofereceram preços muito abaixo do normal nesse primeiro dia e alguma inclusive nem abriram as portas. Como o consumo de alimentos e bebidas está proibido na praça de alimentação, o local ficou vazio. Nem as cadeiras foram deixadas no local para nenhum engraçadinho desrespeitar a norma. 

Já no Shopping Bela Vista, por volta das 13h, não havia mais fila na entrada. Os corredores do shopping estão mais vazios do que o anterior, mas é possível observar filas nas entradas de algumas lojas.

O Salvador Norte Shopping também teve bastante movimento, principalmente nas lojas de celular. "Estamos retomando nossas atividades, de forma gradual, com a preocupação de atender a todas as normas vigentes e garantir medidas de segurança para nosso público, para que se sintam confortáveis em visitar nosso empreendimento. Estamos voltando de um período totalmente atípico, com características que nunca foram vivenciadas por nós mas estamos otimistas em retomar as atividades e voltar a trabalhar intensamente para atender os clientes", diz o superintendente do centro de compras, Renato Martins.

Comércio baiano
Após a reabertura do comércio, a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia (Fecomércio-Ba), a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado da Bahia (FCDL-BA) e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) divulgaram uma nota pública agradecendo aos esforços da Prefeitura e do Estado e também se comprometendo à cumprir todos os protocolos definidos. Confira a nota:

"As quatro entidades representativas do comércio baiano agradecem às ações conjuntas da Prefeitura de Salvador e do Governo do Estado, que permitem a reabertura do comércio da cidade. A pandemia provocada pela disseminação da covid-19 é séria e trouxe graves consqueências para todos. Portanto, o esforço irmanado das maiores autoridades locais, em diálogo permanente com a representação empresarial, tem sido louvável e decisivo para a superação da crise. 

As atitudes embasadas e com planejamento objetivo, após reuniões periódicas com o segmento de comércio, possibilitam agora uma reabertura consciente, segura, com protocolocas claros, que tem como meta salvaguardar vidas, tanto de empresários e trabalhadores, como do público em geral. 

Ressaltamos ainda a decisão acertada de se flexibilizar a exigência de testes em massa de funcionários, uma determinação que poderia inviabilizar a própria reabertura pela impossibilidade de se fazer isso do ponto de vista prático e devido ao custo. Atuaremos com rigor e responsabilidade no cumprimento dos protocolos definidos, buscando a preservação de vidas e a recuperação da nossa economia, para o bem de todos." 

Regras para shoppings e centros comerciais

  • Horário de funcionamento:  de segunda-feira a sábado, das 12h às 20h;
  • As máscaras são obrigatórias e as pessoas devem manter afastamento mínimo de 1,5m;
  • Capacidade máxima de ocupação:  1 pessoa a cada 9m² de área total do empreendimento e de 1 pessoa a cada 5m² da área de cada loja;
  • Vagas do estacionamento:  50% da capacidade total;
  • Implantação de uma estrutura de atendimento de saúde para realização de testes e oferta de orientações sobre as condutas a serem adotadas por trabalhadores e lojistas que apresentarem sintomas compatíveis com coronavírus
  • Diariamente os trabalhadores responderão a um questionário epidemiológico e terão sua temperatura aferida ao chegarem ao local de trabalho; Em caso se apresentação de sintomas ou temperatura igual ou superior a 37,5°C, estes realizarão os testes RT-PCR
  • Cada estrutura de atendimento de saúde implantada pelos shoppings será acompanhada e fiscalizada pela Vigilância Epidemiológica;
  • Deverão ser observados os decretos vigentes, especialmente os que estabelecem restrições/proibição de funcionamento para setores específicos (ex: bares e restaurantes, salões de beleza e barbearias, cinema, teatro, parques infantis);
  • Os estabelecimentos deverão colocar mensagens nas cancelas de entrada dos estacionamentos informando a importância de cumprir as medidas previstas nos protocolos
  • O controle de acesso aos estacionamentos deve ser realizado prioritariamente de forma automática ou com tickets descartáveis. Nos casos de utilização de cartões plásticos, estes deverão ser higienizados;
  • Realização de campanhas para estimular o uso de aplicativos para pagamento dos estacionamentos e incentivar compras on line com retirada través do sistema drive-thru;
  • As vagas de estacionamento para motocicletas e bicicletas deverão manter distanciamento de pelo menos 2m entre elas, com interdição e sinalização daquelas que não puderem ser utilizadas;
  • Não poderão ser disponibilizadas tomadas para carregamento de telefones celulares;
  • Sempre que possível, deverão ser designadas portas específicas para entrada e saída de clientes, além de sinalização no chão demarcando fluxos de circulação interna, de modo a evitar o cruzamento de pessoas;
  • É proibida a experimentação, teste ou prova de produtos de estabelecimentos, devendo os provadores ficarem fechados;
  • Deve ser criada e distribuída uma cartilha de orientação sobre este protocolo e o protocolo geral para todos os lojistas;
  • Os sanitários deverão dispor de pias, preferencialmente sem acionamento manual, com água, sabão, papel toalha e lixeira com tampa e acionamento por pedal; não podendo estar disponível o uso de secadores de mão automáticos;
  • Deverão ser afixada, próximo a todos os lavatórios, instruções da correta higienização das mãos;
  • Quando possível, sanitários, fraldários, espaços de amamentação e outros deverão permanecer com as portas abertas para beneficiar a ventilação e evitar o uso de maçanetas e puxadores;
  • Os fraldários e espaços para amamentação deverão ser higienizados antes e após cada utilização;
  • O empreendimento tem que fiscalizar os lojistas, sendo corresponsável pelo cumprimento de todas as medidas, e notificá-los em caso de descumprimento dos decretos municipais, assim como comunicar à SEDUR;
  • Os quiosques de vendas de produtos alimentícios localizados fora das praças de alimentação seguirão as mesmas determinações das praças de alimentação;
  • Bares, restaurantes e lanchonetes poderão realizar serviços de delivery e take away, inclusive para clientes do próprio estabelecimento
  • Os estabelecimentos devem ordenar filas que se formarem para acesso aos mesmos
  • As filas de veículos deverão ser organizadas para não causar transtornos ao tráfego e nas filas de pedestres deve ser garantido o afastamento de pelo menos 1,5m entre as pessoas e a obrigatoriedade do uso de máscaras;
  • Os elevadores deverão ser constantemente higienizados e conter dispensers de álcool em gel em seu interior e ao lado das portas de acesso;
  • Não serão permitidos serviços de locação ou empréstimo de carrinhos de bebê e de pets;
  • A locação ou empréstimo de cadeiras de rodas poderão ser realizados, desde que estes equipamentos sejam protegidos com capas descartáveis e devidamente higienizados antes e após cada uso;
  • O fardamento deve ser usado exclusivamente dentro das dependências do estabelecimento;
  • É obrigatório afixar, em locais visíveis ao público nas entradas dos estabelecimentos, o protocolo geral, o protocolo específico e a capacidade máxima de pessoas simultâneas no estabelecimento;
  • Sofás, bancos, poltronas e cadeiras  dos espaços comuns não poderão ser utilizados, devendo ser retirados ou isolados;
  • Diretórios digitais de localização de lojas e serviços deverão ser mantidos desligados, o que deverá ser informado ao público em local visível;
  • Deve ser realizada a higienização constante dos caixas eletrônicos localizados fora das agências bancárias, devendo ser colocados dispensers de álcool em gel 70% nestas áreas específicas;
  • O uso de bebedouros nos espaços comuns é proibido
  • Deverá ser recomendado aos clientes que o tempo de permanência nos estabelecimentos e instalações seja o estritamente necessário para que possam fazer suas compras ou receber a prestação do serviço;
  • Não poderão ser realizados eventos ou promoções nos espaços comuns, a exemplo de praças, corredores e estacionamentos, que possam gerar aglomeração de pessoas

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas