Testemunhas relatam comportamento de Andreas von Richthofen após invadir casa

brasil
31.05.2017, 22:10:00
Atualizado: 31.05.2017, 22:24:22

Testemunhas relatam comportamento de Andreas von Richthofen após invadir casa

Irmão de Suzane foi levado a hospital com quadro de surto psiquiátrico após invadir residência, na segunda. Frequentador da Cracolândia, ele estava maltrapilho e confuso

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Andreas e Suzane, durante o enterro dos pais, em 2002. Ao lado, Andreas após ser socorrido na Cracolândia, na segunda-feira passada (Foto: Reprodução e Willian Kury/Rádio Bandeirantes)

Andreas Albert von Richthofen, 29 anos, parecia bastante confuso e acuado na segunda-feira (29), quando conversou com vizinhos da casa onde foi encontrado, em Santo Amaro, zona sul de São Paulo. “Nem queira saber como é minha vida”, teria dito aos PMs após ser abordado por pular as grades da residência, segundo o consultor tributário Mauricio Orlando, 51. “Acho que não queria que soubessem quem era”, conta.

O jovem, que é irmão de Suzane von Richthofen, condenada a 39 anos pelo assassinato do pai e da mãe em 2002, foi levado a um hospital com um quadro de surto psiquiátrico e acabou internado, segundo a Secretaria da Saúde, da gestão João Doria (PSDB).

Às 6h47, Andreas foi filmado por câmeras descendo a rua. Ele rasgou as roupas ao pular as grades e ser espetado por pequenas lanças. Caiu em um jardim e deitou sob a janela, onde permaneceu quieto, sangrando.

Moradores perceberam a movimentação. Quem viu o rapaz foi Orlando. “Ele falava coisas desconexas. Percebi que não era um bandido”, diz.

A PM apareceu às 7h30 e conduziu o Andreas à frente da casa. Ele deixou para trás uma caixinha preta, aberta, de veludo, e levou consigo uma vermelha. Contou que morava na rua República do Iraque, no Campo Belo (zona sul), mas não queria ir para lá. “A minha casa está zoada”, disse.

A via é paralela à rua Zacarias de Góis, onde a família Richthofen vivia antes do crime. Andreas se assustou com a chegada de um segundo carro da PM e se escondeu atrás de um veículo. Depois, correu para o banco do Corsa de um morador. Foi arrancado pelo motorista. Acabou levado pela PM ao Hospital do Campo Limpo (zona sul) e foi transferido à Casa de Saúde João de Deus.

Moradores afirmam que Andreas não tinha a aparência de alguém que frequentou cracolândias da capital. “Mas estava visivelmente transtornado”, afirma o agente de importação Renato Gomes Júnior, 52.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas