Vão deixar saudade? Conheça os carros que deixaram o Brasil em 2020

bahia
09.01.2021, 06:10:00
Com o sucesso do Onix Plus, a Chevrolet deixou de produzir o Cobalt. O sedã chegou ao mercado brasileiro em 2011 e no final de 2015 havia sido atualizado (Foto: Chevrolet)

Vão deixar saudade? Conheça os carros que deixaram o Brasil em 2020

Sedãs, peruas e hatches estão entre os modelos que deixaram de ser produzidos e/ou importados para o país

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

De objeto de desejo a abandonados nas concessionárias. Alguns automóveis chegaram ao mercado brasileiro rodeados de expectativas, uns conseguiram grande sucesso, mas seu ciclo se encerrou. Outros nunca decolaram.

Cada um tem uma história, um motivo. Mas a maioria dos sedãs, hatches e peruas deixaram de ser importados para dar espaço a categoria que mais cresce em todo o mundo, a dos SUVs. Confira alguns casos:

A Nissan deixou de produzir o March no Brasil. Em seu lugar vai fabricar o Magnite
A Nissan deixou de produzir o March no Brasil. Em seu lugar vai fabricar o Magnite (Foto: Antônio Meira Jr./CORREIO)
A Ford resolveu focar em SUVs e deixou de importar o Fusion
A Ford resolveu focar em SUVs e deixou de importar o Fusion (Foto: Antônio Meira Jr./CORREIO)
A segunda geração do C3 deixou de ser produzida e a nova só chegará no final do ano
A segunda geração do C3 deixou de ser produzida e a nova só chegará no final do ano (Foto: PSA)
A Volvo parou de importar a perua V60. Agora só conta com SUVs e sedãs no país
A Volvo parou de importar a perua V60. Agora só conta com SUVs e sedãs no país (Foto: Volvo)

Chery QQ
O subcompacto, que chegou a ser o carro mais barato do Brasil por algum tempo, deixou de ser comercializado. A Caoa Chery está focada em sedãs e SUVs com maior valor agregado.

Chevrolet Cobalt
O sedã, que chegou ao mercado em 2011, ganhou bons ajustes no final de 2015. Começou a perder espaço com o lançamento do Onix Plus, no último trimestre de 2019. Mais seguro e tecnológico, deixou o Cobalt sem sentido no portfólio da Chevrolet.

Citroën C3 e C4 Lounge
A marca francesa, que não vive um bom momento no Brasil, vai passar boa parte do ano com apenas três produtos do showroom: C4 Cactus, Jumpy e Jumper. O C3 teve apenas 968 unidades emplacadas no Brasil ano passado e o C4 Lounge, 430. O sedã deixará de existir e a nova geração do C3 chegará somente no final do ano.

Fiat Weekend
A família Palio, que tinha quatro integrantes, foi sendo desfeita aos poucos. Primeiro o hatch, depois o sedã (Siena) e a perua (Weekend). Atualmente, o único modelo ainda produzido é a picape, a geração antiga da Strada - que conviverá por um tempo com a nova.

Ford Fusion
A empresa mudou seu foco e o sedã deixou de ser importado do México para dar espaço a outros produtos. De lá, a empresa irá trazer o Bronco Sport. O Fusion ainda é oferecido em alguns países, mas deverá deixar de ser produzido em breve.

Nissan March
O hacth, que chegou ao Brasil em 2011, deixou de ser produzido ano passado e ainda existem algumas unidades com motor 1.6 disponíveis no estoque. Para seu lugar, a Nissan planeja lançar no país o Magnite, um SUV compacto menor que o Kicks.

Volvo V60
A nova geração da station wagon, categoria popularmente conhecida como perua, chegou ao país no final de 2018 e durou pouco por aqui. Apenas 103 unidades foram licenciadas no país em 2020. Atualmente, apenas a Audi continua oferecendo produtos desse tipo no país.

Volkswagen Golf
Com vendas em queda, o hatch abriu espaço na fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná, para o T-Cross. Ainda era importado da Europa na versão híbrida plug-in até o ano passado. Por enquanto, a VW não demonstrou intenção de importar a oitava geração.

Volkswagen Passat
Importado da Alemanha, o bom sedã registrava poucos emplacamentos, foram apenas 132 unidades ano passado. Esse resultado levou a VW a desistir do produto no mercado brasileiro. Continua sendo oferecido em outros países.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas