Vindos direto dos anos 1970, revestimentos em formatos hexagonais estão de volta

Decor
06.07.2017, 15:22:00

Vindos direto dos anos 1970, revestimentos em formatos hexagonais estão de volta

As famosas colmeias ficam muito bem em qualquer lugar da casa

Revestimentos retrô já são tendência na decoração há alguns anos. É fácil encontrar por aí paredes que mimetizam azulejo português ou ladrilho hidráulico. Agora é a vez dos formatos hexagonais, que lembram uma colmeia. A inspiração vem dos anos 1970, quando padrões geométricos dominaram a decoração, e apareceu na CASACOR São Paulo deste ano.

http://redacao.correio24h.com.br/fileadmin/acervo/correio24horas/Bazar/06072017_revestimentos.jpg
A Casa da Mata, de Olegário de Sá e Gilberto Cioni na CASACOR São Paulo (Foto: Thiago Travesso/Divulgação)

Na Casa da Praia Decortiles, a designer Marina Linhares usou a linha Sixties da Decortiles para dar charme a um banheiro completamente revestido com as pastilhas. Azulejos em dimensões maiores também revestem a parede da Casa da Mata de Olegário de Sá e Gilberto Cioni. O formato pode aparecer em diversos tamanhos e materiais, como cerâmica e cimento, por exemplo.

http://redacao.correio24h.com.br/fileadmin/acervo/correio24horas/Bazar/06072017_revestimentos2.jpg
A Casa de Praia Decortiles da designer Marina Linhares: parede, chão e teto (Foto: Divulgação)

Onde usar

http://redacao.correio24h.com.br/fileadmin/acervo/correio24horas/Bazar/06072017_revestimentos3.jpg
O banheiro do Fera Palace Hotel: inspiração art déco (Foto: Angeluci Figueiredo/CORREIO)

Variedade

http://redacao.correio24h.com.br/fileadmin/acervo/correio24horas/Bazar/06072017_revestimentos4.jpg
(Foto: Divulgação)

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas