Vinicius Junior diz não se incomodar com pressão no Real Madrid

esportes
15.03.2021, 15:30:00
Real Madrid enfrenta a Atalanta nesta terça-feira (16), na Espanha (Foto: Helios de la Rubia/Real Madrid)

Vinicius Junior diz não se incomodar com pressão no Real Madrid

Clube fará, nesta terça-feira (16), o jogo de volta das oitavas de final da Liga dos Campeões contra a Atalanta

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Real Madrid fará nesta terça-feira (15) a partida de volta das oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa contra a Atalanta, em Madri, depois de ter vencido na Itália por 1x0. O atacante brasileiro Vinicius Junior espera estar em campo para poder acabar com uma sequência de duas temporadas seguidas de eliminação nesta fase da competição. Mas sabe que a pressão é enorme e garante que a aguenta.

"Por causa da pressão que temos. E aqui, no maior time do mundo, é sempre pior. Não importa se é o Sergio (Ramos), que está há mais tempo, ou se é o Mendy, o Rodrygo ou eu, que estamos aqui há pouco tempo e somos jovens. No Real, não existe isso", disse Vinicius Junior em entrevista ao jornal espanhol El País, lembrando de sua chegada ao clube em 2019.

"Eles haviam jogado cinco 'Champions' e vencido quatro. E eu cheguei justamente neste momento, depois do Cristiano (Ronaldo), a maior lenda do clube, que ganhou tudo. Um pouco complicado. Mas aguento a pressão muito bem", acrescentou o brasileiro.

A primeira eliminação nas oitavas de final foi para o Ajax, em Madri, com uma derrota por 4x1. Vinicius Junior lembrou o lance em que acabou se machucando contra o time holandês.

"Foi a frustração por não poder jogar, por não poder ajudar. Todo o trabalho que fiz para aquele jogo e sair aos 40 minutos foi um pouco difícil. Sabia que era um momento importante para mim e para o clube. Sabia que estava fazendo as coisas certas, que estava jogando muito bem. Todos os jogadores me ajudavam dando a bola para que eu tentasse algo diferente", disse.

"Só pensava: 'Não posso ter que sair deste jogo. Vou continuar, vou continuar, vou continuar'. Nessa hora me lançaram uma bola, tive que correr 50 metros assim, e acho que nesse momento as coisas pioraram. Mas queria tentar, queria dar tudo", completou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas