CULTURA

Não consegue engatar a leitura? Entenda o que é a ressaca literária e como sair dela

Expressão surgiu nas comunidades de leitores online; período pode levar anos

  • Foto do(a) author(a) Thais Borges
  • Thais Borges

Publicado em 9 de junho de 2024 às 05:00

Ressaca literária
Ressaca literária Crédito: Shutterstock

O quadro inicial é sempre o mesmo: alguém que ama ler, que encara até bula de remédio. De repente, essa pessoa não consegue nem terminar um capítulo. Textos curtos viraram longos demais, livros maiores ficam intermináveis e nada é interessante o suficiente. Qualquer coisa é mais atraente que um livro - pode até ser o feed do TikTok ou do Instagram, mas eles estão longe de serem os únicos vilões.

Se essa descrição lhe soa familiar, saiba que é um sentimento mais comum do que parece. Mais do que isso, essa sensação tem nome e sobrenome: ressaca literária. A expressão foi cunhada nas ‘bookredes’, há alguns anos - ou seja, as comunidades de leitores de plataformas online, como Twitter, Instagram, TikTok e YouTube.

Ela surgiu justamente depois que leitores tiveram mais oportunidades de debater leituras nesses espaços - e, consequentemente, perceberam que a experiência não era individual, mas compartilhada.

“É aquele momento que você não consegue levar nenhuma leitura para frente, seja porque teve um livro que te empolgou muito ou seja por que teve uma experiência ruim. Pode também ser porque você leu uma série muito grande de livros e está cansado”, enumera o escritor e influencer literário Tiago Valente, que é mestre em Letras e tem mais de 520 mil seguidores no TikTok (@otiagovalente).

A semelhança com o estado que o corpo - e, em especial, a mente - fica depois de uma bebedeira pode ser explicada, na opinião de Tiago, pelo fato de ambas as situações envolverem experiências intensas. Mas, ao contrário da ressaca alcoólica, a sua versão literária dificilmente passa depois de algumas horas.

Algumas pessoas podem levar meses e até anos para voltar a ter interesse por um livro. Segundo a psicóloga Vanina Cruz, mestre em estudos de gênero e escritora de livros de literatura infantil e de poesias para adultos, as queixas comuns são de pessoas que sentem que estão bloqueadas, quase como um reconhecimento de que não têm condições de uma leitura.

A boa notícia é que, apesar de complexa, a ressaca tem cura. "É como se a pessoa estivesse precisando fazer as pazes com aquele leitor ou leitora que já foi um dia. Às vezes, nesse processo, a pessoa consegue identificar o que pode ter gerado esse bloqueio".

Público

A produtora de conteúdo Renata Pinheiro, 30, foi uma das pessoas que se identificou com a sensação de ressaca literária antes mesmo de saber do que se tratava. "Sempre achei que era uma espécie de ‘cansaço’ passageiro", diz ela, que costuma compartilhar suas leituras com mais de 90 mil seguidores no perfil @digaileitoresblog, no Instagram.

A última ressaca de Renata foi depois de ter lido O Nome do Vento, de Patrick Rothfuss. "Fiquei tão imersa e encantada pelo universo criado pelo autor que, ao terminar o livro, nada mais parecia tão bom ou envolvente. Passei cerca de quinze dias sem conseguir engatar em nenhuma leitura".

Já a ressaca mais recente de Tiago Valente veio há quase dois anos, logo após ter lido aquele que viria a se tornar seu livro preferido: Foi assim que tudo explodiu, do autor Arvin Ahmadi. Na semana seguinte, ele simplesmente não conseguia ler. Nada parecia tão interessante quanto aquela leitura anterior.

“Já tive muitos momentos assim, principalmente quando comecei a trabalhar com conteúdo e tive uma carga de leitura maior. Era muito complicado, porque se tornou o meu trabalho”, diz ele, que também cria conteúdos para o Instagram e para o YouTube.

Para a psicóloga Vanina Cruz, a ressaca literária é mais frequente entre jovens e adultos. Isso tem a ver com o aspecto de que a leitura ganha sentido de formas diferentes, a depender do estado de desenvolvimento. Uma criança vê a leitura como uma possibilidade de alfabetização, por exemplo, além do auxílio na imaginação.

No caso dos jovens e adultos, um obstáculo para criar o hábito de leitura são os possíveis distratores - ou seja, todas as situações que tiram a atenção da atividade de ler. "Por outro lado, eu considero que o brasileiro e a população baiana se interessam pela leitura. Basta ver como as bienais do livro ficam lotadas. A gente teve um público diverso e jovem (na última)", analisa, citando o evento ocorrido em abril, em Salvador.

Saídas

Por isso, a psicóloga recomenda que cada um tente encontrar uma forma de retomar a rotina de leitura. A cada dia, é possível começar a ler poucas páginas. Depois, é possível aumentar gradativamente, buscando leituras mais tranquilas.

Quem passou por uma ressaca depois de ter um título que causou impacto grande, porém, deve se permitir entender as emoções que estão relacionadas a isso.

"Hoje, temos tantas possibilidades em termos de literatura. Você pode ir tanto para a literatura científica, com temas que tenha interessem quanto prosa, poesias, revistas em quadrinhos. Tudo pode ser lido. Há possibilidade para todos os gostos. É possível que a gente faça essa busca para se conectar de novo com os livros", acrescenta.

Uma saída para Tiago Valente foi variar. Muito acostumado a ler romance, decidiu dar uma chance aos quadrinhos. Ficou um tempo com os quadrinhos e, depois, voltou aos romances. Além disso, ele recomenda contos. Para Tiago, os textos mais curtos, como contos e poesias, podem ajudar a sair de uma ressaca.

“O formato ajuda bastante. HQ, livro ilustrado. Audiobooks também ajudam muito. Você está lendo, mas de alguma forma, tem alguém lendo para você. Variar as temáticas e o gênero também ajuda. Se a leitura que marcou foi drama, talvez você deva ler uma comédia romântica ou romance. Mas, às vezes, você só precisa de um tempo e isso é muito válido. Esse ‘pós’ faz parte”.

Encontrar gêneros que leria com mais agilidade também foi a atitude buscada por Renata Pinheiro. Ela cita, ainda, o retorno a um livro favorito. Além disso, nesses momentos, participar de encontros como clubes do livro pode ser uma ajuda extra. "Outra coisa que fiz foi participar de leituras coletivas e discutir sobre livros com amigos, o que trouxe de volta o prazer da leitura de forma gradual".

O nível de cansaço geral também não deve ser ignorado, segundo a psicóloga Vanina Cruz. “Todo o nosso esgotamento físico traz um estado de muitas vezes não conseguir realizar todas as coisas que a gente gostaria. Uma boa leitura demanda tempo e, se você está ansioso, acelerado demais, fica difícil encaixar a leitura”.

5 livros para sair da ressaca literária

Chuvas Esparsas - Rainbow Rowell

Editora Seguinte, 2024, 304 páginas

Chuvas Esparsas, de Rainbow Rowell
Chuvas Esparsas, de Rainbow Rowell Crédito: Divulgação

Em uma coletânea com nove contos, cada um dos textos conta uma história de amor. Os personagens são confusos, encantadores e humanos. É uma boa alternativa para sair da ressaca literária por se tratar de textos curtos.“Cada conto é muito diferente um do outro. Tem contos de fantasia, outros que exploram mais o psicológico do personagem. São bem tranquilos e tem ilustrações lindas”, recomenda Tiago Valente.

Verity - Colleen Hoover

Galera, 2020, 320 páginas

Verity, de Colleen Hoover
Verity, de Colleen Hoover Crédito: Divulgação

Suspense psicológico da mesma autora do hit É Assim que Acaba, Verity traz a história de Verity Crawford, uma escritora bestseller que sofre um acidente. Sem condições de concluir sua própria história, a editora de Verity convida a também escritora Lowen Ashleigh, uma autora quase falida, para escrever os três livros restantes. Aos poucos, Lowen se vê presa em uma rede de mentiras e segredos, ao mesmo tempo em que se sente atraída pelo marido de Verity. Trata-se do primeiro thriller de Colleen Hoover, que foi a autora mais vendida do Brasil em 2022 e 2023. Para a produtora de conteúdo literário Renata Pinheiro, é um título com narrativa cativante e de leitura fácil.

Na Pata do Cavalo há sete abismos

Editora 7 Letras, 2014, 68 páginas

Na pata do cavalo há sete abismos, Clarissa Macedo
Na pata do cavalo há sete abismos, Clarissa Macedo Crédito: Reprodução

Livro de poemas da escritora baiana Clarissa Macedo. A escritora usa a imagem do cavalo e seus galopes para trabalhar metáforas sobre o viver. A dica é da psicóloga Vanina Cruz, que recomenda a leitura de obras de autores baianos ou radicados na Bahia. "Tem tantos poetas e poetisas interessantes, como Clarissa Macedo, Lena Trindade, Décio Torres, Alex Simões, Almerson Cerqueira Passos... São tantos autores que a gente tem aqui e acaba sendo um processo de entrar em contato com pessoas próximas da gente também", analisa a psicóloga.

Maus - Art Spiegelman

Maus
Maus Crédito: Divulgação

Quadrinhos e Cia, 2005, 296 páginas

Para quem quer se aventurar no universo dos HQs, uma boa pedida é esse clássico dos quadrinhos, que até hoje é o único representante do gênero a receber o Prêmio Pulitzer. A graphic novel conta a história de Vladek Spiegelman, um judeu polonês que sobreviveu a Auschwitz e narra suas vivências ao filho Art. Foi lançada originalmente em duas partes, em 1986 e 1991. Depois, foi retraduzida com as duas partes no mesmo volume. O autor desenhou os judeus como ratos, enquanto os nazistas receberam traços de gatos; poloneses não-judeus são porcos e americanos são representados como cachorros.

Bem-vindos à livraria Hyunam-dong - Hwang Bo-Reum

Editora Intrínseca, 2023, 272 páginas

Bem-vindos à Livraria Hyunam-Dong, de
Bem-vindos à Livraria Hyunam-Dong, de Crédito: Divulgação

Primeiro romance da autora Hwang Bo-Reum, a obra apresenta Yeongju, uma mulher cuja vida se tornou uma sequência de frustrações. Cansada de se sentir desmotivada e com vazio no peito, ela decide correr em busca do sonho de abrir uma livraria. Com o novo negócio, ela descobre que o novo trabalho requer mais do que amor pelos livros. Na livraria, contudo, ela encontra um novo significado para a vida e torna o espaço um local para pessoas como ela. O livro foi publicado pela e