ECONOMIA

Alckmin diz que ritmo de queda dos juros 'precisa ser maior, sem hesitações'

Copom anunciou uma redução de 0,25 ponto porcentual na taxa

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 9 de maio de 2024 às 06:45

Geraldo Alckmin
Geraldo Alckmin Crédito: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

O vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) afirmou na noite desta quarta-feira, 8, que o ritmo de cortes da taxa básica de juros, a Selic, "precisa ser maior, sem hesitações". Mais cedo, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou uma redução de 0,25 ponto porcentual na taxa, para 10,50% ao ano, após seis cortes consecutivos de 0,50 ponto.

Em publicação na rede social X, Alckmin disse que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) "está fazendo o dever de casa em todos os sentidos: negociando reformas; reconstruindo políticas sociais; e estimulando o investimento produtivo". As altas taxas de juros, no entanto, "são um freio ao desenvolvimento do país, porque desencorajam o consumo e o investimento, além de elevarem a dívida pública", segundo o vice-presidente.

"A redução de 0,25 pp na Selic é um sinal importante de confiança no governo, mas o ritmo da queda precisa ser maior, sem hesitações. O Brasil precisa retomar a normalidade monetária, com juros condizentes com as necessidades do país e a responsabilidade do governo", escreveu Alckmin no X.