Cientistas brasileiros trazem gelo da Antártica para estudar o clima

O material será analisado no único laboratório de glaciologia do país, no RS

Publicado em 7 de janeiro de 2009 às 15:05

- Atualizado há 9 meses

Depois de 16 dias no continente antártico, com temperaturas de até 40 graus negativos, o grupo de sete cientistas brasileiros e um chileno da expedição Deserto de Cristal, que desembarcou nesta quarta-feira (7) no Brasil, trouxe na bagagem muito gelo para pesquisa. O material será analisado no único laboratório de glaciologia do país, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

'No interior do gelo está o material que nos interessa: são pequenos glóbulos de ar retidos durante centenas de anos. Com esse material é possível fazer comparação entre atmosfera passada e atmosfera presente, ver a diferença entre a concentração de gás carbônico, a temperatura da terra', explicou a coordenadora para Mar e Antártica do Ministério da Ciência e Tecnologia, Maria Cordélia Machado.

De acordo com a coordenadora, essa foi a primeira vez que pesquisadores brasileiros avançaram continente adentro. 'Ele ficaram muito próximos do Pólo Sul', relata. As amostras de gelo foram coletadas a 45 e a 95 metros de profundidade no Monte Johns, a mais de mil quilômetros da Estação Antártica Comandante Ferraz, base brasileira no continente.

Segundo Maria Cordélia, as pesquisas com gelo são fundamentais para o estudo das mudanças climáticas, por fornecer comparações numéricas da concentração de gás carbônico, um dos chamados gases de efeito estufa, que, intensificado, provoca o aquecimento global.

'É fundamental saber que quantidade de gás carbônico existia em 1700, depois comparar com a concentração do gás na época da Revolução Industrial e com a nossa época para traçar estratégias para o futuro do planeta', avaliou.

Além dos estudos climáticos, a Antártica é cenário para pesquisas sobre radiação solar, raios ultravioleta e camada de ozônio. 'Outro exemplo é o estudo do não-congelamento do sangue de peixes antárticos, para, com base nisso, desenvolver pesquisas para a saúde humana', acrescentou a coordenadora do MCT.

A expedição Deserto de Cristal ainda não tem novas viagens programadas ao interior do continente. A partir dos resultados obtidos com as amostras coletadas, o grupo definirá as próximas etapas e a necessidade de novas coletas.

Já a Estação Antártica Comandante Ferraz funciona durante todo o ano, com pesquisas dedicadas principalmente ao estudo da biodiversidade do chamado continente gelado. 'O Brasil agora tem dois navios antárticos, vai poder trabalhar muito bem toda a baía, o entorno, com pesquisas oceanográficas, sobre a biodiversidade', destacou a coordenadora.

(Com informações da Agência Brasil)