143 MORTES

Mais de 100 mil casas foram destruídas ou danificadas pela chuva no RS; prejuízo é de R$ 4,5 bi

Até o momento, o desastre climático afetou 447 dos 497 municípios gaúchos

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 13 de maio de 2024 às 06:56

Alagamento em Canoas, no Rio Grande do Sul
Alagamento em Canoas, no Rio Grande do Sul Crédito: Ricardo Stuckert / PR

Cerca de 101 mil casas já foram destruídas ou danificadas pelas fortes chuvas que há dias assolam o Rio Grande do Sul, segundo estimativa da Confederação Nacional de Municípios (CNM). Até o momento, o desastre climático afetou 447 dos 497 municípios gaúchos.

O desastre climático resultou em 143 mortes, conforme o boletim mais recente divulgado pela Defesa Civil do Estado. Além disso, há 125 desaparecidos e 806 feridos. Mais de 2,1 milhões de pessoas foram afetadas pelas chuvas no Rio Grande do Sul.

Entre as residências que sofreram avarias, 92,6 mil estão danificadas e outras 8,4 mil, destruídas. A CNM estima que as chuvas causaram, até aqui, R$ 8,4 bilhões em prejuízos financeiros ao Rio Grande do Sul, sendo mais da metade na área da habitação (R$ 4,5 bilhões).

Os dados, ainda assim, podem estar subnotificados, na medida em que as cidades afetadas concentram seus esforços neste momento nos resgates e no acolhimento das famílias afetadas. Além de buscar alertar a população sobre como proceder diante da iminência de novos alagamentos.

Na tarde deste domingo, 12, por exemplo, a prefeitura de Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, emitiu um alerta solicitando a evacuação de moradores em seis bairros da cidade por risco de alagamento: Rio Branco, Fátima, Mato Grande, Harmonia, Mathias Velho e São Luis. "As águas retornarão", disse o prefeito Jairo Jorge.

A CNM destaca que, dos 447 municípios afetados, apenas 62 começaram a inserir valores sobre prejuízos no Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD), do Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional. O montante de R$ 8,4 bilhões, desse modo, diz respeito a apenas uma parcela das cidades.

As 143 mortes registradas até o momento também fazem parte de um balanço parcial, que provavelmente vai aumentar. Conforme a Defesa Civil, há 806 feridos e 131 desaparecidos, mas até mesmo esse número pode ser até maior.

A Confederação Nacional de Municípios afirmou que, de acordo com os dados inseridos pelos municípios no S2iD, há 815 desaparecidos, concentrados principalmente em quatro cidades gaúchas: Eldorado do Sul (300), Gramado Xavier (164), Candelária (120) e Canoas (114).