Sem verbas do governo Lula, técnicos da área de PPPs do estado descartam ponte em 2028

Por Jairo Costa Júnior

  • Foto do(a) author(a) Jairo Costa Jr.
  • Jairo Costa Jr.

Publicado em 15 de novembro de 2023 às 05:00

Técnicos graduados da área de Parcerias Público-Privadas (PPPs) no governo baiano consideram que, sem aportes da União, será impossível viabilizar a Ponte Salvador-Itaparica até o fim de 2028, como projetou anteontem a direção da concessionária responsável pela obra. Reservadamente, confidenciaram que os investidores chineses já deixaram bastante claro que só injetarão recursos na ponte após o Poder Público colocar dinheiro suficiente para garantir o início da construção e a continuidade do projeto. Como o governo do estado não possui caixa para cumprir a exigência do consórcio em curto ou médio prazos, a avaliação é de que será preciso convencer o presidente Lula (PT) a abrir os cofres federais.

Grana curta

Contudo, o eventual socorro do Palácio do Planalto para destravar a ponte esbarra no novo arcabouço fiscal, cujas regras atrelam a elevação da despesa ao crescimento da receita. Sem margem para ampliar gastos em 2024, o governo Lula dificilmente queimará a pouca gordura extra em projetos bilionários.

Pista dupla

Parlamentares com status de liderança enxergam dois movimentos por trás das costuras voltadas a emplacar a PEC que permite a reeleição para o comando da Assembleia na mesma legislatura. Um tem relação com a postura adotada pelo presidente da Casa, Adolfo Menezes (PSD), que deu oxigênio para impulsionar a proposta, na esperança de um entendimento favorável a ele no Supremo. O outro está ligado ao empenho dos deputados Niltinho e Nelson Leal, ambos do PP, para aprovar a PEC. Caso a Corte vete a recondução, esperam que Menezes retribua com apoio a um deles na sucessão presidencial do Legislativo.

Livre para voar

Em meio às especulações de que o ex-prefeito de Feira de Santana José Ronaldo (União Brasil) articula o apoio de caciques tucanos à sua candidatura para barrar a entrada do deputado Pablo Roberto no páreo da cidade, o também deputado Tiago Coreia, presidente estadual do PSDB, garante que a hipótese não tem a menor chance de prosperar. "Pablo possui aval do PSDB e legitimidade para se candidatar com os acertos que achar necessários. Ele teve 40 mil votos em Feira ano passado. É um capital político grande demais para ser desprezado", afirmou.

Troca de figurino

Juristas e magistrados preveem uma mudança de padrão no Judiciário estadual com a vitória da desembargadora Cynthia Resende na disputa pela presidência do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ). Eleita ontem com 46 votos, Cynthia é conhecida pelo perfil avesso ao jogo político e aos arranjos de gabinete, característica da maioria dos antecessores. A expectativa é de gestão com pouco espaço a práticas não republicanas no TJ.

Fora de timing

Pesos pesados do empresariado afirmam que o governo do estado escolheu o pior momento para reajustar o ICMS em 1,5 ponto percentual, diante da série de indicadores negativos sobre a economia baiana: produção industrial com queda de 4,5% de janeiro a setembro e recuo de 23,4% das exportações em outubro, só para citar os mais recentes.

" Parabéns a toda a nação rubro-negra por essa conquista do Vitória. Retorno à Série A e título de campeão brasileiro mais que merecidos. Só fortalecem o futebol baiano!"

Bruno Reis, prefeito de Salvador e torcedor do Leão, ao comemorar ontem o troféu inédito para o clube após o empate entre Criciúma e Guarani
Prefeito de Salvador