RIO DE JANEIRO

Brasil precisa de ‘mais testosterona’, diz Nikolas Ferreira em ato pró-Bolsonaro

Nikolas debochou da baixa presença de petistas em atos pró-Lula, em comparação aos últimos atos

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 21 de abril de 2024 às 13:56

Nikolas Ferreira, deputado federal, não terá que apagar publicação nas redes sociais
Nikolas Ferreira Crédito: Bruno Spada/Câmara dos Deputados

O deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG) disse que o Brasil precisa de "mais testosterona" e negou a necessidade de mais projetos de lei e emenda. Num discurso de pouco mais de cinco minutos, Nikolas fez ataques ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e elogiou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o pastor Silas Malafaia.

"Este País não precisa de mais projetos de lei, este País não precisa mais de emenda. Este País precisa de homens com testosterona. É isso que esse País precisa. E eu tenho certeza que é o que esses dois homens (Bolsonaro e Silas) representam", disse, durante ato pró-Bolsonaro em Copabacana neste domingo, 21

Nikolas debochou da baixa presença de petistas em atos pró-Lula, em comparação aos últimos atos. "Hoje o mundo está vendo quem é o verdadeiro líder do nosso País, Jair Messias Bolsonaro. É a primeira vez que temos um presidente da República que não consegue colocar o povo nas suas ruas", afirmou.

Assim como seu colega deputado Gustavo Gayer (PL-GO), Nikolas agradeceu e pediu aplausos do público ao empresário sul-africano Elon Musk.

O empresário dono da rede social X (ex-Twitter) lançou uma campanha de ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que motivou apoiadores de Bolsonaro às vésperas da manifestação.

"Aqui eu quero deixar um agradecimento a um homem estrangeiro, Elon Musk, por que ele está fazendo. Porque eu sei que isso aqui vai rodar o mundo e peço uma salva de palmas pela luta pela liberdade no nosso País", disse.

Nikolas finalizou o discurso com uma mensagem de esperança para o público. "O presente pode ser deles, mas o futuro será nosso", disse.