No comércio, vagas de final de ano terão queda de 60% ante 2014

Apesar da crise, comércio de Salvador deve começar a contratação de trabalhadores temporários para reforçar as vendas

Publicado em 18 de outubro de 2015 às 09:07

- Atualizado há 10 meses

A crise também deve chegar nas vagas temporárias de Natal, que devem ter uma queda de mais de 60% no final do ano em comparação com o mesmo período de 2014. Mesmo assim, o comércio de Salvador deve começar a contratação de trabalhadores temporários para reforçar as vendas do período no início de novembro. Serão cerca de 2 mil  postos extras concentrados nos setores de vestuário e calçados. A estimativa é do presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Salvador, Frutos Dias Neto. Apesar das contratações terem sido retardadas por conta da redução do consumo, Dias Neto diz que este período tem grande apelo. “O Natal sempre mexe com o emocional, o que leva o consumidor às compras”. Em 2014, o comércio de Salvador abriu seis mil vagas temporárias. “Isso tem a ver com a crise que estamos enfrentando. O movimento está retardado, mas acreditamos que na primeira quinzena de novembro a coisa comece a se movimentar. Os setores que mais vão contratar serão os de calçados, vestuário e o de brinquedos”, complementa.A redução de contratações para o Natal, segundo o diretor-executivo da Federação das Câmaras dos Dirigentes Lojistas da Bahia (FCDL), Carlos Machado, deve-se a uma preocupação dos lojistas para não demitir os funcionários. “A contratação de mão de obra extra vem de uma percepção de aumento de vendas. Sem isso, não há motivos para contratar”, argumenta. Rodrigo Passos, de 21 anos, trabalha na empresa Black Bar para garantir uma grana extra (Foto: Divulgação)De acordo com a Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem), a diminuição de vagas da Bahia é observada em menor escala em todo o país. Até dezembro devem ser geradas 107,8 mil contratações no país - número 20% menor que no mesmo período do ano passado. Segundo o Serviço de Proteção ao Crédito

Especialistas dão dicas de como  garantir uma vaga temporária O processo seletivo para uma vaga temporária deve ser encarado como uma boa oportunidade para transformar o emprego passageiro em uma oportunidade efetiva. Pelo menos é o que acredita a diretora da Associação Brasileira de Recursos Humanos na Bahia (ABRH-BA), Margot Azevedo. Segundo ela, muitas empresas pensam que “não existe vaga temporária, existe funcionário bom”. “Não há diferença da postura profissional a ser adotada nesses processos. Todas as oportunidades devem ser encaradas com seriedade e profissionalismo”, afirma. “Quando participamos de uma seleção, qualquer que seja, estamos sendo avaliados e observados em relação a postura, atitudes, educação, bom senso, conhecimentos e experiência - quando esta é exigida”. Assim como em qualquer processo seletivo, devem valer preocupações como chegar ao menos antes da hora marcada para a entrevista, arrumar-se adequadamente e com bom senso. “Informe-se sobre a empresa que está contratando e mostre real interesse pela oportunidade”, complementa. De acordo com o coach de carreira Maurício Sampaio, com as vagas reduzidas neste ano, qualificação, estudo, dedicação e perseverança são fundamentais. O primeiro passo para garantir uma vaga é sair de casa e visitar os shoppings para cadastrar o currículo. Outra dica é visitar as lojas, pois parte das contratações ocorre dessa forma. “O que vale nessa hora é ter um currículo atrativo, se possível com experiência nesse tipo de trabalho”. (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), entretanto, apenas  24.427 vagas temporárias serão criadas no país neste final de ano. AlternativaContratar colaboradores temporários é uma saída não só para o comércio, mas também para empresas de outros setores. Além de custos menores, este tipo de vaga possibilita o acesso diferenciado ao mercado de trabalho, proporcionando oportunidades a universitários, por exemplo. É o caso do estudante de Engenharia Civil Rodrigo Passos,  21 anos, que há  quatro trabalha na empresa de eventos Black Bar. “Precisava pagar minhas contas . Trabalho sextas, sábados, domingos e alguns dias de semana”, conta. “Mesmo quando  estagiava, fazia eventos. A gente recebe um cachê de cerca de R$ 150 por noite. Dá para tirar em torno de R$ 1, R$ 4 mil”, complementa ele. “Apesar de cansativo, é uma gratidão, pois  envolve a realização de sonhos de pessoas”.Proprietário da Black Bar, André Porto revela que demitiu um funcionário do setor administrativo e terceirizou a área de coreografias. “O tíquete médio dos eventos está menor. Se fazia festa de R$ 5 mil, hoje faço de R$ 3,5 mil. Tinha até 30 funcionários em um evento, hoje tenho  20”. Segundo ele, as vagas temporárias são comuns no setor para reduzir custos, pois a maioria dos colaboradores trabalha até três dias na semana. “Se eu contratar pessoas fixas, tenho risco de quebrar”. Mesmo com a recessão,  até dezembro a empresa deve aumentar de 30% a 40% os temporários. Interessados  devem enviar o currículo para  [email protected] estão as vagas?As contratações temporárias também são uma alternativa para as lojas de shoppings,  que demitiram pelo menos 1,6 mil funcionários desde julho.Apesar de ter desligado funcionários desde julho, as lojas do Salvador Shopping devem contratar entre 500 e 600 novos funcionários a partir de novembro. “As contratações devem representar cerca de 10% do nosso quadro de funcionários, que é de 5 mil”, afirma o presidente da Associação de Lojistas do local, Humberto Paiva. Interessados devem deixar os currículos nas próprias  lojas. As lojas do Outlet Premium devem abrir em torno de 300  vagas. “Por estar na passagem para o Litoral Norte, o volume de vendas deve aumentar”, revela o gerente do empreendimento, Everson Cardotte. Para se inscrever é preciso cadastrar o currículo no site.  As associações de lojistas dos shoppings Bela Vista, Paralela e Salvador Norte informaram que as lojas não vão abrir seleção para temporários. A reportagem entrou em contato com as associações do Barra, da Bahia e Center Lapa, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição. Em contato com as assessorias dos shoppings de Salvador, apenas o Barra divulgou que abrirá 130 vagas temporárias para a parte administrativa, que envolve orientadores, seguranças e para trabalhar na campanha de Natal. Os currículos devem ser entregues no setor de Recursos Humanos.A assessoria do O Boticário informou que a franquia irá abrir, em Salvador, 70 vagas para empregos temporários no Natal. Os currículos devem ser entregues em qualquer loja da capital. Procuradas pelo CORREIO, as redes de supermercado Gbarbosa, Extra e Walmart disseram que ainda não têm previsão de novas contratações para final do ano. O presidente da Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação (Febha), Silvio Pessoa, afirmou que o setor turístico, os bares e restaurantes esperam uma reação da economia para contratar. “Enquanto o mercado não reagir vai ser difícil. Em anos anteriores, a mão de obra aumentava 10%. Dessa vez, estamos demitindo”, diz. No ramo, as vagas temporárias surgem a partir de 20 dezembro. O Sistema Municipal de Intermediação de Mão de Obra (SIMM) e o Serviço de Intermediação para o Trabalho (SineBahia) ainda não começaram a captar vagas para o período. “Não dá para saber se o número vai ser grande, mas a expectativa é alcançar o número de vagas do ano passado”, afirma o gerente do SineBahia, Helber Pacheco. No período de outubro a dezembro de 2014, o órgão captou 1.921 vagas temporárias em Salvador. No ano passado, o SIMM intermediou 235 contratações temporárias. Para concorrer às vagas fixas e temporárias  nas duas  instituições, basta comparecer em um dos postos de atendimento com a carteira de trabalho, carteira de identidade, CPF, comprovante de residência e histórico escolar.