Baiano John Drops faz saco de lixo virar blusa da Chanel ao imitar celebridades

João Paulo Anjos, 22 anos, sempre teve blogs e sempre falou de moda; ideia da brincadeira surgiu durante VMA

Publicado em 7 de outubro de 2015 às 16:24

- Atualizado há 10 meses

Ano passado, Kim Kardashian chegou polemizando no tapete vermelho do Video Music Awards (VMA) com uma roupa que exibia seu enorme decote. Nesse momento surgia, aqui em Salvador, a Kardashian da Bahia, uma versão pobrinha da celebridade.

O idealizador da brincadeira chama-se João Paulo Anjos, 22 anos, estudante de publicidade. Mas ele prefere ser chamado de John Drops, como ficou conhecido na internet depois de recriar looks de famosas de maneira engraçada.(Fotos: Reprodução/Instagram)John sempre teve blogs e sempre falou de moda, mas nunca gostou de pagar muito caro numa roupa de marca para poder estar bem na foto e ruim no bolso. Enquanto assistia à premiação do VMA, viu que um tapete da sua casa se parecia muito com a roupa que Kim Kardashian foi à festa. John teve a ideia de postar em seu Instagram uma foto imitando a celebridade e em poucos instantes outros perfis começaram a compartilhar a brincadeira.

O estudante só brinca com quem admira. Brasileiras e gringas como Claudia Leitte, Ivete, Beyoncé e Rihanna já caíram nas graças de John. Segundo ele, a ideia geral é levar humor, homenagear as famosas e trazer a mensagem implícita de que, apesar dos looks serem imitados de forma caricata, estilo não é sinônimo de dinheiro, mas sim de criatividade.(Fotos: Reprodução/Instagram)Hoje os próprios seguidores dele já têm um radar dos looks que merecem ser copiados e os enviam como sugestão. John então avalia quais os mais legais e “em questão de minutos um saco de lixo vira uma blusa da Chanel”, conta aos risos.

O repertório é todo improvisado mesmo. Quando não encontra o que precisa no seu armário, ele recorre às roupas dos pais e da irmã. Faz o carão e já foi. Agora é só editar a foto e postar. Às vezes, John conta com a ajuda de Fernanda, sua secretária do lar e amiga, que embarca nas loucuras e participa com ele nos looks.O estudante conta que ainda não chega a levar a vida com essa atividade, mas que já recebeu propostas de empresas para divulgação de eventos. Só aí ele percebeu que a brincadeira podia virar um negócio, mas ainda quer aprender muito sobre conteúdo para a web.

Embora o Twitter seja uma fábrica de memes (termo grego que significa imitação), a rede social tem baixa audiência em Salvador, o que fez John escolher o Instagram para divulgar seus memes. “Acho o Instagram mais dinâmico e bastante visual. A pessoa bate o olho e já entendeu a mensagem”, revela. *Hilza de Oliveira é integrante da 9ª turma do programa CORREIO de Futuro