Vacina é proteção contra doenças 

Através da imunização é possível prevenir infecções e impedir que várias doenças se espalhem

Publicado em 25 de setembro de 2017 às 13:15

- Atualizado há 10 meses

. Crédito: Divulgação

As vacinas são o meio mais efetivo e seguro para se combater, controlar e erradicar diversas doenças infecciosas. São recursos indispensáveis para a saúde individual e pública. Através da imunização é possível prevenir infecções e impedir que várias doenças se espalhem na comunidade. Eles atuam estimulando o organismo a produzir sua própria proteção. 

O médico infectologista Claudilson Bastos, do Laboratório Sabin, destaca que existem vacinas certas para cada fase da vida. “Isto depende da idade do indivíduo, e por isso precisamos saber qual exatamente a vacina a tomar naquela faixa etária. Tem para crianças, adolescentes, adultos e para idosos”, afirmou. Ele citou, ainda, que há vacinas específicas para grupos com determinadas doenças, como problemas respiratórios e cardíacos; para quem vai viajar para algumas regiões ou países, e também para alguns profissionais, a exemplo da área de saúde. 

“A vacinação é um ato de amor”, ressalta Claudilson Bastos, ao destacar a importância da vacinação, sobretudo nas crianças. “Quando elas não são vacinadas, no momento certo, correm o alto risco de ter algumas doenças infectocontagiosas, a exemplo da varicela ou caxumba, que é facilmente transmissível e pode se disseminar rapidamente no ambiente”, enfatizou.

Proteção

Cada vacina tem um período de eficácia. A dose contra tétano, por exemplo, tem uma atuação de, pelo menos, 10 anos. “Mas existem vacinas, como a da gripe, que tem a duração da sua efetividade de um ano”, afirmou Bastos. Ele lembra que existem vacinas que resultam de uma solução composta pelo próprio vírus vivo atenuado. Estas, geralmente, não podem ser dadas para gestantes, por exemplo. Mas as chamadas vacinas polissacarídicas - construídas a partir de polissacarídios da cápsula envolvente do agente infeccioso - podem ser aplicadas. “Por isso, é importante a gestante procurar um especialista para saber que vacinas pode tomar. Da mesma forma, pessoas que tenham algumas doenças consideradas imunossupressoras”, citou. 

As pessoas que pretendem viajar para outros países e que necessitam tomar vacinas podem ser impedidas de continuar a viagem se não cumprirem a obrigação. “É importante que antes de viajar procure se certificar quais vacinas são necessárias” a depender da região de destino, afirmou. 

Claudilson Bastos destacou a importância da vacinação. “Esta é uma ação revolucionária, pois diversas doenças deixaram e vão deixar de existir por causa da vacina”, citou. Ele lembrou que a Bahia enfrentou um surto de meningite meningocócica em algumas cidades, em 2009. “Não houve mais surto relacionado a esta infecção e, atualmente, este número de casos é muito pequeno e isto se deve a esta vacina fazer parte do Calendário do Programa Nacional de Imunização”, afirmou. 

FIQUE POR DENTRO A vacina induz o sistema imunológico a reagir como se tivesse realmente sido infectado pelo agente. Ela é uma substância derivada, ou quimicamente semelhante, a um agente infeccioso, causador de doença. Esta substância é reconhecida pelo sistema imunológico do indivíduo vacinado e suscita uma resposta do organismo, que o protege de uma doença associada ao agente. A capacidade protetora das vacinas é objeto de estudo antes destas serem colocadas no mercado. 

 A primeira vacina de que se tem registro é a antivariólica, criada por Edward Jenner no final do século XVIII. Através de uma experiência, ele comprovou que quando a secreção de um doente é injetada em uma pessoa saudável, os sintomas desenvolvidos são muito mais brandos e ela torna-se imune à doença.

Assinantura Estudio Correio
O Estúdio Correio produz conteúdo sob medida para marcas, em diferentes plataformas.