5 dicas para acertar na escolha de luzes e cores para a sua casa

Veja como combinar esses dois elementos para criar ambientes harmônicos, aconchegantes e alegres

  • Foto do(a) author(a) Portal Edicase
  • Portal Edicase

Publicado em 5 de março de 2024 às 16:25

Imagem Edicase Brasil
A escolha das cores e luzes pode transformar os ambientes (magem: Emerson Rodrigues | Projeto: BMA Studio) Crédito:

Com o advento do trabalho híbrido e a crescente busca por ambientes que proporcionem bem-estar e versatilidade, a escolha cuidadosa das cores se tornou uma ferramenta essencial na criação de espaços que atendam às diversas demandas do cotidiano. Ao optar por tonalidades, texturas e luzes que promovam uma atmosfera agradável, é possível transformar não apenas a estética, mas também a funcionalidade dos ambientes.

A equipe da Yamamura, loja de iluminação online, apresenta o apartamento de 108 m² do arquiteto Bruno Moraes, destacando a importância das cores e da iluminação para promover conforto e bem-estar. Confira a seguir!

1. Combine as cores com o estilo

O apartamento de estilo contemporâneo apresenta toques de cor e algumas características industriais, que contribuem para dar vida e funcionalidade aos espaços. Na sala de TV e no lavabo, por exemplo, Bruno intensificou as tonalidades de azul; já na área gourmet , a cor terracota ganha destaque. Como o apartamento possui ambientes integrados, uma preocupação foi a perfeita harmonia entre os cômodos.

Imagem Edicase Brasil
A cor verde está relacionada ao relaxamento, à natureza e à sensação de frescor (Projeto: BMA Studio | Imagem: Emerson Rodrigues) Crédito:

2. Psicologia das cores

Com relação aos materiais como paredes, revestimentos, móveis e acessórios, o arquiteto buscou tonalidades que trouxessem as melhores sensações, sempre de acordo com seus objetivos. Portanto, para quem está estudando quais tons deve incluir no lar, vale a pena conhecer mais sobre a psicologia das cores, em que cada escolha é responsável por diferentes reações emocionais e efeitos práticos no dia a dia, podendo contribuir para a evolução pessoal e o equilíbrio familiar.

De forma resumida, o azul tem ação calmante e está ligado à segurança. O verde e os tons de terra contribuem com a reconexão com a natureza. O amarelo promove a alegria e a descontração. O vermelho é sinônimo de energia e criatividade. O rosa inspira afeto e romantismo. O roxo está intimamente ligado à espiritualidade. O laranja traz entusiasmo e vitalidade. O branco remete à paz e à tranquilidade, enquanto o preto imprime formalidade e elegância.

3. Aposte na cromoterapia

Outra opção é a cromoterapia, uma prática capaz de utilizar as diferentes cores de luzes no tratamento de diversos problemas, sendo a solução perfeita para reequilibrar as energias, algo essencial para a saúde física e mental. Nesse caso, os itens de iluminação que possuem o sistema RGB realizam uma série de combinações de cores.

Imagem Edicase Brasil
O cuidado com a iluminação é importante para não prejudicar o sono (Projeto: BMA Studio | Imagem: Emerson Rodrigues) Crédito:

4. Combine iluminação e ciclo circadiano

Para garantir uma noite de sono reparadora, assim como um dia de trabalho produtivo, é essencial seguir o ciclo circadiano – responsável pelas percepções e regulações do corpo humano, com relação ao dia e à noite. Basicamente, ele está alinhado com o relógio biológico desde os primórdios, sendo responsável por coordenar a fabricação dos hormônios. Exatamente por isso, a escolha da iluminação correta é bem importante.

“Se você colocar uma luz muito forte no seu quarto à noite ou ficar utilizando o celular antes de dormir, isso poderá interferir na qualidade do seu sono. Da mesma forma, se você incluir uma iluminação muito fraca no ambiente de trabalho, isso poderá atrapalhar a sua concentração e produtividade”, comenta o arquiteto Bruno Moraes.

Sendo assim, a melhor forma de alcançar uma boa qualidade de vida é mesclando a luz natural e a artificial na rotina, criando ambientes que conversem com o meio externo e mantenham um cenário interno parecido com a luz solar, ou seja, mais estimulante pela manhã e início da tarde e mais ameno ao cair da tarde para a noite.

Para isso, uma boa solução é investir na tecnologia, a partir de luminárias dimerizáveis (que aumentam ou diminuem a intensidade de luz), RGBs ou que permitam a variação de temperatura de cor, além da criação de diferentes cenas.

5. Temperatura de cor

Com relação à iluminação artificial, existem três temperaturas básicas de cor que são determinadas pela escala Kelvin. Primeiramente, o branco quente (de 2400K a 3000K) fornece sensação de aconchego, portanto é indicado para espaços que necessitam de tranquilidade, como salas e dormitórios.

A temperatura de cor neutra (em torno dos 4000K) é utilizada mais para fins práticos e que não interfiram na tonalidade da cor dos objetos. Já no caso da temperatura de cor branco frio (5000K a 6500K), a luz traz mais sensação de agitação e frieza, logo é muito indicada para locais que exijam a concentração dos usuários, como no caso de escritórios, cozinhas ou lavanderias.

Por Karina Monteiro