SALVADOR

Advogada relata momentos de pânico durante ataque de pitbulls na Barra

"Um dos cães pulou em cima de mim e chegou a pegar meu cabelo"

  • Foto do(a) author(a) Saulo Miguez
  • Saulo Miguez

Publicado em 11 de abril de 2024 às 11:28

Garoto
Garoto Crédito: TV Bahia

A advogada Mariana Soares Oliveira, 32 anos, e seu cachorro Garoto viveram momentos de tensão na manhã da última quarta-feira (10). Como costuma fazer diariamente há quase três anos, ela levou o animal para passear, por volta das 6h20, pela orla da Barra. A rotina foi quebrada por um ataque de dois cães da raça pitbull que estavam soltos, sem coleira ou focinheira.

Mariana seguia em direção ao Morro do Cristo quando viu um homem com dois pitbulls indo na mesma direção. Precavida, ela preferiu mudar o destino. No entanto, quando estava perto do restaurante Barra Vento, vieram outros dois cães da mesma raça,  sem o dono, que partiram para cima dela e do seu pet.

"Eu não tinha para onde ir. Tentei adiantar, mas quando a gente foi caminhando, os Pit bulls atravessaram a rua e vieram para cima. Peguei o Garoto no colo, mas um dos cães pulou em cima de mim e chegou a pegar meu cabelo", relembrou Mariana.

Com a investida, Garoto caiu no chão e os cães foram para cima dele. A tutora conta que começou a gritar por socorro e tentar livrar o pet dos ataques. "Felizmente algumas pessoas que passavam pelo local me ajudaram. Naquele momento, a única coisa que lembro são os gritos de Garoto", disse.

Dois funcionários da limpeza pública que conhecem Mariana foram fundamentais para evitar que algo pior acontecesse. Eles ajudaram a distrair os pitbulls e assim a advogada pôde voltar para casa com o seu cachorro.

Mariana levou Garoto a uma clínica veterinária de sua confiança e lá foi constatado que o animal está com diversos hematomas internos e alguns machucados resultado das mordidas que sofreu.

Ele está tomando antibióticos, anti-inflamatórios e remédios para dor, mas não corre risco. A advogada sofreu mordidas nas mãos enquanto tentava salvar cão e por isso está fazendo protocolo vacinal contra raiva e tétano.

Dono desconhecido

De acordo com a advogada, ainda não se sabe a quem pertence os cães que a atacaram. "Só ouvimos algumas histórias, mas nada concreto sobre quem é o dono desses cachorros. Vou registrar um boletim de ocorrência, mas sinto que são cachorros de um irresponsável que não tem como arcar com nada", disse.

Ela contou ainda que, nesse momento, mais do que medidas judiciais a sua prioridade é se restabelecer emocionalmente. "Agora eu sou tudo, menos advogada. Foi um susto e um trauma muito grande", desabafou.

Bahia registrou 7 óbitos de pessoas por mordida de cachorro em entre 2021 e 2023

Segundo dados do Ministério da Saúde, a Bahia registrou sete óbitos humanos por mordida de cachorro, entre os anos de 2021 e 2023. Em relação às internações hospitalares, no ano passado foram 111 casos registrados. Este ano, apenas no mês de janeiro, foram 11 internações.