Baiana que faz vaquinha para ir a Harvard foi aprovada na UFRJ e UEPB, mas dispensou por não ter como se manter

Alice Gomes, 18 anos, recentemente foi aprovada para participar de uma Simulação das ONU em Harvard, nos Estados Unidos

Publicado em 6 de dezembro de 2023 às 07:00

Alice Gomes aprovada para simulação na ONU
Alice Gomes aprovada para simulação na ONU Crédito: Paula Fróes/ CORREIO

A jovem baiana Alice Gomes, 18 anos, que está empenhada em conseguir apoio financeiro para participar de uma Simulação da Organização das Nações Unidas (ONU) em Harvard, nos Estados Unidos, tem o objetivo de seguir carreira no ramo das Relações Internacionais. Ela, inclusive, já chegou a ser aprovada para fazer sua graduação dos sonhos na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mas precisou dispensar por não ter como se manter nesses estados.

"Quando soube das duas aprovações, fiquei muito feliz. Esse é aquele momento em que percebemos que todo o esforço valeu a pena e trouxe resultados. Meus pais não tiveram a oportunidade de fazer uma faculdade, mas sempre me incentivaram a estudar e cursar o ensino superior, o que resultou na minha paixão por aprender e pela educação. Porém, apesar de ter sido aprovada em universidades públicas, eu precisaria mudar de estado, o que que não seria possível. Infelizmente, sabendo da condição financeira dos meus pais, e que não poderíamos arcar com os custos, não pude usufruir de nenhuma das vagas", afirma Alice.

Segundo conta, a decisão quanto a sua futura profissão surgiu após as primeiras simulações que fez na Escola Sesi Reitor Miguel Calmon, onde cursou o Ensino Médio. Ela detalha que foi a convite de um professor que passou a fazer parte do Clube de Relações Internacionais, ainda na pandemia de covid-19, e nunca mais parou. “Quando eu entrei no clube, eu me apaixonei pelas Relações Internacionais, pela geopolítica e por aquele movimento que nós fazíamos de buscar soluções e trabalhar com temas globais. Foi daí que eu decidi ser internacionalista", relata.

Com os pais desempregados, Alice, que mora no Subúrbio de Salvador, atualmente trabalha como Jovem Aprendiz na área de Administração. Ela aponta que, diante do histórico de oportunidades perdidas por limitações financeiras, se viu incentivada a pedir ajuda para ir até Harvard. Para tanto, criou uma vaquinha on-line e disponibilizou sua chave Pix ([email protected]) para arrecadar os R$ 14,6 mil que a separam do seu sonho. O valor necessário para a viagem inclui gastos com passagens aéreas, taxa do Visto, taxa da conferência, estadia, alimentação, seguro-saúde, transporte e chip móvel.

“Até um tempo atrás, eu ficaria pensando se era ou não possível, porque é uma realidade muito distante da maioria dos jovens brasileiros desembolsar esse valor para ir até Harvard. Mas eu acredito que vou conseguir", ressalta. "Estou totalmente comprometida em buscar os recursos necessários e não medirei esforços para tornar esse sonho realidade", completa.

*Com orientação da subchefe de reportagem Monique Lôbo