IMBRÓGLIO

Em nova audiência, Arquidiocese e Devoção do Bonfim tentam reconciliação

A primeira audiência, realizada em abril, terminou sem acordo entre as partes

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 13 de maio de 2024 às 10:29

A fitinha do Senhor do Bonfim é sinal de fé
A fitinha do Senhor do Bonfim é sinal de fé Crédito: Foto: Arquivo CORREIO

Dando continuidade à tentativa de composição amigável entre a Arquidiocese de Salvador e a Devoção do Senhor Bom Jesus do Bonfim, o desembargador Jorge Barretto, relator do processo, media nova audiência de tentativa de conciliação, nesta segunda-feira (13).

A iniciativa reforça o Programa de Conciliação no 2º Grau de Jurisdição, em conformidade com as orientações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), com vistas a fortalecer a Política Judiciária de métodos autocompositivos. A primeira audiência de conciliação, realizada em abril, terminou sem acordo entre as partes.

Entenda o caso

Essas ações visam encerrar uma disputa que se arrasta desde janeiro de 2023 após divergências entre membros da Irmandade do Senhor do Bonfim e o padre da Basílica, Edson Menezes, que culminou em um decreto feito no dia 02 de agosto pelo arcebispo de Salvador, cardeal Dom Sergio da Rocha que determinou uma intervenção na Irmandade Devoção do Senhor do Bonfim.

No ato, foi decretado o afastamento imediato de Jorge Nunes Contreiras, que atuava como juiz da congregação desde janeiro deste ano. A decisão foi tomada três meses após o conflito entre o padre Edson, reitor da Basílica do Bonfim, e o então juiz se tornar público.

Uma ação judicial foi feita no final de setembro de 2023 por membros da devoção contra a Arquidiocese de Salvador. Segundo o irmão mesário e advogado, Eduardo Carreira, a ação questiona a interferência da Arquidiocese nas atividades administrativas da igreja.