MAIO LARANJA

Estupros correspondem a 63% das violações contra crianças e adolescentes na Bahia

Os dados fazem parte do painel interativo que reúne os dados do canal Disque 100, vinculado ao Governo Federal

  • Foto do(a) author(a) Maysa Polcri
  • Maysa Polcri

Publicado em 17 de maio de 2024 às 07:00

Foram feitas 4.711 denúncias de crimes contra crianças e adolescentes na Bahia neste ano
Foram feitas 4.711 denúncias de crimes contra crianças e adolescentes na Bahia neste ano Crédito: shutterstock

O crime de estupro é o abuso sexual mais frequente contra crianças e adolescentes na Bahia. Apenas neste ano, foram 415 vítimas do crime, o que representa 63% do total de violações sexuais registradas no estado através do Disque 100. O Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes será celebrado no próximo sábado (18).

Os dados fazem parte do painel interativo que reúne os dados do canal Disque 100, vinculado ao Governo Federal. Foram feitas 4.711 denúncias de crimes contra crianças e adolescentes na Bahia neste ano, de acordo com o portal do Ministério.

As denúncias correspondem 27.573 violações, isso porque, cada uma pode conter mais de um tipo de crime tipificado. Foram 415 vítimas de estupro e 155 crimes de importunação sexual. A diferença entre os dois crimes é a violência física, que caracteriza o estupro.

Cometido principalmente por pessoas próximas às vítimas, o reconhecimento do crime ainda é um obstáculo para pais e responsáveis. Viviane Peixoto foi eleita conselheira tutelar em Salvador em outubro do ano passado e é reconhecida pelas ações em escolas contra abuso sexual.

Segundo ela, o abuso sexual quase nunca é silencioso. Mesmo que a criança ou adolescente não denuncie o crime diretamente, mudanças de comportamentos dão sinais da violência. “Todo abuso traz sinais. A criança que era alegre e comunicativa, começa a ficar introspectiva, se calar. Se era carinhosa, começa a ficar grossa. Muitas vezes os pais acham que os filhos estão rebeldes e não as questionam sobre o que está acontecendo”, diz.