MERCADO FUNERÁRIO

Morrer pode custar até R$22 mil em Salvador

Serviços mais caros incluem urna de luxo e ornamentação especial

  • Foto do(a) author(a) Raquel Brito
  • Raquel Brito

Publicado em 16 de maio de 2024 às 05:15

Cemitérios têm missas no Dia de Finados
Custos vão de serviços funerários ao sepultamento Crédito: Divulgação

O serviço funerário é uma das primeiras responsabilidades com a qual é preciso lidar após perder alguém. Em Salvador, os preços desses produtos são variados. Se a pessoa responsável optar pelas alternativas mais baratas de cada serviço, o menor custo possível é de R$4.762, de acordo com o levantamento feito pela reportagem.

No Cemitério Campo Santo, um dos mais tradicionais de Salvador, o sepultamento é a opção mais barata: custa, no mínimo, R$3.562 e pode chegar a R$6.200. O valor depende do equipamento, se é carneira, gaveta ou mausoléu, por exemplo. O tamanho do caixão é outro fator que interfere no serviço, porque define o espaço e a dimensão do equipamento que será utilizado. A cremação de adultos, por sua vez, tem o valor mínimo de R$4.900.

Para os velórios com padre, é cobrado valor de a partir de R$485 - casos em que são realizados na lateral da igreja. No centro, ocupando toda a igreja, a cerimônia custa R$1.500. Além desses valores, a manutenção do túmulo custa a partir de R$ 900 por três anos.

Antes do enterro ou da cremação, a preparação para a última despedida também tem preços variados. Na Funerária Campo Santo Fernandez, por exemplo, o serviço funerário básico, mais barato da empresa, sai por R$1.300, com flores, véu e transporte. Entretanto, o preço varia de acordo com fatores como o cemitério em que o corpo será enterrado e a urna escolhida. Os caixões vão dos básicos aos superluxo, que podem chegar a R$22 mil. Na categoria mais cara, um dos diferenciais é que os caixões têm duas tampas.

A Funerária Pax, localizada na Baixa de Quintas, também oferece opções variadas em preços e pacotes aos clientes. O serviço padrão com urna simples, por exemplo, custa R$1.200, e o serviço funerário com uma urna de luxo, o mais caro da empresa, R$22 mil. Ambos incluem remoção, higienização e tamponamento, ornamentação com flores naturais, véu e uma coroa de flores naturais.

A Funerária A Criativa, em Brotas, é outra com alternativas para todos os gostos. A mais barata, com direito a urna mortuária, carro mortuário, ornamentação de flores, coroa de flores e higienização do corpo, sai por R$2.500. No local, os serviços têm níveis diferentes e podem custar até R$20 mil.

Planos funerários 

Pagar mensalmente por um plano funerário e, na medida do possível, se preparar para a própria morte vem se tornando uma opção para lidar de forma mais tranquila com a despedida. Os planos funcionam como uma espécie de “seguro”, com valores fixos pagos a uma funerária de escolha.

Na Funerária Pax existem quatro opções de plano funerário: bronze, prata, ouro e rubi, entre R$28,69 e R$70, com taxas de adesão de R$40 a R$50. O Plano Bronze, mais básico, inclui uma urna mortuária envernizada com visor simples, ornamentação com flores naturais da época, guia de sepultamento, coroa de flores artificiais, carro mortuário (para distâncias de até 100km), véu, painel eletrônico e lista de presença.

O Plano Rubi, em contrapartida, engloba cobertura total para sepultamento, cemitério particular (gaveta e sala de velório), urna mortuária, serviço de copa, ornamentação, traslado e paramentação.

Cemitérios públicos

Para aqueles que não podem pagar pelo sepultamento ou cremação, existem os cemitérios públicos oferecidos pela prefeitura, que garantem esses serviços. Para o sepultamento em um dos cemitérios municipais, existe um preço público. No caso de cova rasa infantil, a taxa é de R$22,08. Já a cova rasa de tamanho adulto tem o valor de R$44,17. A gaveta, por sua vez, custa R$149,76.

Para agendar, é necessário que o responsável entre em contato com a Central de Agendamentos da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop). Após o contato, o responsável pelo registro do óbito deve apresentar a declaração de óbito e confirmar alguns dados pessoais dele e da pessoa falecida, como RG, CPF e endereço.

Hoje, Salvador tem dez cemitérios públicos municipais. Eles estão localizados em Brotas, Itapuã, Paripe, Periperi, Pirajá, Plataforma, Ilha de Bom Jesus dos Passos, Ilha de Maré, Ponta de Nossa Senhora de Guadalupe (Ilha dos Frades) e Paramana (Ilha dos Frades).

Os serviços prestados pelos cemitérios municipais exigem o pagamento do preço público de sepultamento, que deve ser apresentado antes do enterro, além da da guia de sepultamento e cópia da certidão de óbito, fornecidos pelo cartório de registro civil, e cópia dos documentos do falecido e do responsável (RG, CPF e comprovante de residência).

Quanto à cremação, é necessário, além dos documentos já citados, o envio da Declaração de Pobreza e do Termo de Responsabilidade para a Central de Agendamentos.

A Semop cobre apenas a parte do sepultamento ou cremação. Outros serviços funerários, porém, podem ser fornecidos pela Secretaria Municipal de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esportes e Lazer (Sempre), através do Auxílio Funeral.

A medida é destinada às pessoas em situação de vulnerabilidade social e consiste na disponibilização de urna funerária, coroa de flores e traslado do corpo até o cemitério agendado pela família dentro do município de Salvador.

Para solicitar o benefício, a família deve comparecer ao serviço social do Instituto Médico Legal (IML), Maternidade, Unidades de Pronto ou do Hospital onde se encontra o corpo do falecido e solicitar o encaminhamento para o auxílio funeral. Caso o óbito ocorra em residência, o familiar deve solicitar o benefício em posse da Declaração de Óbito, através do número (71) 99623-2915. O serviço funciona também aos fins de semana e feriados.

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro