Quarta edição do Clube do Fogo leva paixão pelo mundo do churrasco para o Parque Shopping Bahia

O festival reúne uma diversidade de pratos e técnicas de churrasco

  • Foto do(a) author(a) Elaine Sanoli
  • Elaine Sanoli

Publicado em 10 de março de 2024 às 21:08

O hambúrguer artesanal defumado é uma das opções do cardápio do Clube do Fogo
O hamburguer artesanal defumado foi uma das opções do cardápio do Clube do Fogo Crédito: Paula Fróes/ CORREIO

Nada tem mais a cara do verão do que um churrasquinho e uma cervejinha com a família no final de semana. O ‘churrasquinho’ dessa vez, no entanto, foi um pouco além. Teve início, neste sábado (9) e domingo (10), o festival de churrasco do Clube do Fogo no Parque Shopping Bahia, em Lauro de Freitas, reunindo uma diversidade de pratos e técnicas de churrasco, com direito a muita música.

Clube do Fogo
null Crédito: Paula Fróes/ CORREIO

Gerle Silva, 43, conseguiu resumir bem o que lhe encantou no evento: “banda ao vivo, uma carne na hora, cerveja gelada, é bem legal”. Pela terceira vez no Clube do Fogo, ele levou a esposa e os filhos para curtirem o projeto, ao som da banda Filhos de Jorge que se apresentou neste domingo (10). Apesar de sentir falta da cerveja artesanal que encontrou nas edições passadas, a corretora continua encantada com a variedade de pratos, e tratou de não escolher apenas uma das opções. “Vou comer um pouco de tudo”, diz enquanto observa o leque de possibilidades deste ano.

Gerle Silva, 43, aproveitou o festival ao lado da esposa e dos filhos
Gerle Silva, 43, aproveitou o festival ao lado da esposa e dos filhos Crédito: Paula Fróes/ CORREIO

Costela no fogo de chão, hambúrguer artesanal defumado, cupim defumado, picanha novilha, salmão assado, pão de alho e arroz carreteiro são apenas algumas das opções do cardápio desta edição. Reunindo sete assadores renomados convidados, o festival proporcionou uma verdadeira mistura de diferentes sabores e técnicas de churrasco. Harley Borges, 44, um dos profissionais convidados e chefe do restaurante Fifty BBQ, levou para a sua estação a famosa costelinha ao molho barbecue, o “carro chefe de qualquer festival”. Acompanhando a carne, o chefe adiciona uma receita de ceviche de abacaxi para garantir o equilíbrio do prato.

“A costela tem o preparo de 10 a 12 horas, ela vai para o fogo de chão, depois a gente tira e posiciona para quando o cliente chegar ela estar toda cortadinha e quente”, conta. A técnica consiste em colocar as carnes em espetos e assar em brasas dispostas pelo chão. A receita do ceviche por sua vez, envolve a utilização do abacaxi defumado, cortado em cubos, acompanhado de cebola roxa, pimenta dedo-de-moça, rabanete e raspas e suco do limão siciliano para completar.

Paixão pelo fogo

O cardápio pode parecer simples, mas ofertar seu prato no festival tem um significado muito maior para Harley. O amor pela profissão foi o que ajudou a superar tempos difíceis. Após um grave acidente e anos de acompanhamento psicológico, Harley encontrou nos churrascos um sentido para sua vida. “Quando eu saí do psicólogo e cheguei em casa, eu abri a internet e vi um curso de churrasco, aí eu só abracei [a ideia]”, conta ao relembrar o início dos seus quase 20 anos de trajetória como assador.

“Nada melhor do que você ganhar o pão de onde você gosta, de onde você ama fazer”, afirma o chefe Ricardo Brandão, 49, reforçando o mesmo sentimento do colega de profissão. Nas edições anteriores, Ricardo assumiu a costela no fogo de chão, mas neste ano, ele levou uma opção de prato um tanto quanto fora do comum para sua estação do festival: salmão assado acompanhado de mousseline de banana da terra com leite de coco. “Eu absorvo um pouco de cada técnica, da alta gastronomia, que eu trouxe da faculdade, e da cozinha de raiz, que veio de minha mãe, dos terreiros de candomblé. Eu agrego todas as técnicas ao meu churrasco”, conta. Para ele, o festival de churrasco é um momento de levar ao público a inovação das técnicas já existentes, em pratos surpreendentes.

“A energia do fogo é sensacional, isso nos motiva e faz estar presente em todos os festivais”, expressa o administrador João Paulo, 46, que já esteve a frente de uma estação com o arroz carreteiro em edições passadas, mas neste ano foi ao Clube do Fogo apenas incentivar a “paixão pelo fogo e pela gastronomia”. “É o nosso papel vir aqui dar moral à galera, provar tudo, dar os feedbacks e fortalecer sempre o mundo do churrasco”.

João Paulo, 46, marcou presença na quarta edição do evento
João Paulo, 46, marcou presença na quarta edição do evento Crédito: Paula Fróes/ CORREIO

A psicóloga Elane Rozine, 43,amante de um bom churrasco, não perdeu a oportunidade de se surpreender com a diversidade de pratos oferecidos. Tradicionalmente ao lado do marido, também assador profissional, ela acompanha o Clube do Fogo todos os anos. Nesta edição, o companheiro não pôde participar, mas nem assim Elane deixou de prestigiar o evento. “Todas as edições foram um sucesso e vim mais uma vez prestigiar, porque vim nas anteriores, adorei e acho que esse mundo de churrasco é um mundo bem interessante, está ampliando a gastronomia no estado”, avalia, antes de saborear a costela banhada ao molho barbecue do chefe Harley Borges.

Diversidade de técnicas

Uma das técnicas que o chefe Ricardo Brandão utilizou para a produção do salmão, amplamente utilizada por assadores no dia a dia, é a técnica tradicional do American Barbecue (churrasco americano) do “Pit Smoker”, um churrasqueira específica para prender a fumaça da lenha e com ela assar a carne. A técnica se assemelha ao método de churrasco no bafo, um velho conhecido dos brasileiros, mas se diferencia no material usado para geração do calor: carvão no bafo e madeira no pit smoker. “A diferença do americano é que [ele é] feito no Pit Smoker. É um churrasco confinado, defumado, ninguém vê o que tá sendo feito ali, só vê depois que sai”, explica Ricardo.

Já a chefe Araci Mota, a única mulher entre os assadores convidados, levou seu famoso hamburguer artesanal defumado assado na Parrilla para os visitantes da sua estação. A Parrilla é uma técnica tradicionalmente utilizada por argentinos e uruguaios para assar carnes. “É todo um processo aqui, a gente defuma no Pit [Smoker], para depois levar para assar na Parrilha”, revela a chefe de cozinha.

A quarta edição do festival acontece em celebração ao aniversário de quatro anos do Parque Shopping Bahia. “A gente tem um repertório das atrações musicais diferenciadas, a gente traz Filhos de Jorge, Daniel Vieira e Targino Gondim, que são três atrações de peso para compor o evento e festejar o aniversário do shopping”, conta a superintendente do Parque Shopping Bahia, Lulie Najar. A expectativa da organização é que o festival receba cerca de cinco mil pessoas por dia.

O Clube do Fogo continua mandando brasa no próximo sábado (16) e domingo (17) a partir das 12h. Acompanhando as estações com comidas no sábado, os cantores Jow e Targino Gondim se apresentam às 17h e 19h respectivamente. No domingo, o embalo do público fica a cargo de Daniel Vieira a partir das 17h no estacionamento do centro de compras. A entrada no evento é gratuita.

*Com orientação da subeditora Monique Lôbo