Palacete Góes Calmon

Sede da Academia de Letras da Bahia é arrombada e furtada; prejuízo chega a R$ 10 mil

Criminosos levaram TV, câmera, além de fiação e refletores da área externa

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 15 de abril de 2024 às 19:17

Imagem de Nossa Senhora da Conceição da Praia é danificada Crédito: Divulgação/ALB

A sede da Academia de Letras da Bahia (ALB), que fica no Palacete Góes Calmon, em Nazaré, foi alvo de arrombamento, furto e depredação na madrugada da última sexta-feira (12). Segundo a própria instituição, o prejuízo pode passar de R$ 10 mil, já que será necessário fazer reparos no local e nos objetos de valor artístico e histórico que foram danificados.

Câmeras de segurança flagraram a presença de ao menos três pessoas na ação. Entre os bens roubados estão uma TV com pedestal e uma câmera para videoconferência, além de fiação e refletores que ficavam na área externa.

A assessoria da Polícia Civil não localizou a ocorrência. Já a Polícia Militar informou que a 2ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/ Barbalho) não foi acionada para a ocorrência.

"Tem portas arrombadas, teve furto, vandalismo e prejuízo sério para o nosso patrimônio. Os assaltos são constantes. Já foram capturados aqui dentro meliantes que foram soltos de imediato. Eles são presos, levados pela polícia e imediatamente soltos. E voltam", desabafou Ordep Serra, presidente da ALB, em um vídeo para a imprensa.

Essa não é a primeira vez que a sede da ALB é alvo de criminosos. No início de 2023, o local já havia sido vítima de uma série de furtos. Em 2022 o mesmo lugar foi assaltado quatro vezes em menos de uma semana.

O Palacete Góes Calmon abriga vasto acervo documental, fotográfico e bibliográfico da ALB e está em processo de tombamento tanto pelo Município de Salvador quanto pelo Estado da Bahia.

Ordep Serra aproveitou para pedir ajuda e melhorar a segurança no local. "O monumento é frágil. Nossas portas e janelas são fáceis de violar. Precisamos de ajuda e apoio real das autoridades competentes. Precisamos proteger melhor esse monumento. A Academia tem poucos recursos para subsistir e defender um patrimônio publico como esse valioso".