Último dia do Verão: baianos se despedem da estação mais quente do ano

Outono começa às 0h06 desta quarta-feira (20)

  • Foto do(a) author(a) Millena Marques
  • Millena Marques

Publicado em 20 de março de 2024 às 08:00

Praia da Barra nesta terça-feira (19)
Praia da Barra nesta terça-feira (19) Crédito: Paula Fróes/CORREIO

A estação mais quente do ano deu adeus aos brasileiros às 0h06 desta quarta-feira (20). O Verão se despede para dar lugar ao Outono, que ainda apresentará temperaturas altas por quase um mês. No Porto da Barra, em Salvador, soteropolitanos e turistas aproveitaram a terça-feira (19) de céu limpo, sol escaldante e temperaturas que variaram entre 27 °C e 31 °C. Apesar de não lembrarem que estavam vivendo o último dia da estação, muitas pessoas marcaram presença no cartão-postal da cidade.

Foi o caso da dona de casa Maridilce Pereira, 47 anos, moradora do município de São Gabriel, a 485 quilômetros de Salvador. Embora não tenha saído de casa com o objetivo de aproveitar o último dia de Verão, a data ficará na memória por muito tempo. Isso porque ela saiu do interior do estado para realizar o sonho da filha, Jenifer da Silva, 17 anos, que conheceu o mar pela primeira vez nesta terça.

“Vim aqui para realizar o sonho de minha filha, que não conhecia a praia. Tudo está sendo ótimo. Ela já tirou umas fotos, já realizou o sonho de ir lá na água”, disse. Apesar do calor intenso na capital soteropolitana, Maridilce ressaltou que o clima é agradável quando se está na praia. “Está quente, mas está agradável, não está uma coisa insuportável”, complementou.

Os amigos Pedro Felipe Santos, 22, e Sthefane Silva, 25, aproveitaram a folga no trabalho para curtir o dia de sol na Barra. Os dois trabalham como rodoviário e microempreendedora, respectivamente, moram em Salvador e costumam ir ao Porto em dias mais quentes. “Essa praia é um ambiente que a gente se sente muito bem. Quando eu cheguei, o calor estava ‘amassando’, mas depois que eu entrei na água deu uma aliviada”, afirmou.

Questionado sobre a despedida da estação mais quente do ano, o rodoviário fez questão de ressaltar que já está acostumado com o clima da cidade. Segundo ele, não faz frio em Salvador em nenhum momento do ano. "Em Salvador não tem essa de frio, não. É calor o tempo todo”, falou. 

Esse calor também não é um problema para a amiga. "Baiano gosta de verão, né? Baiano gosta de sol, de ir à praia mesmo. Qualquer feriado que temos, aproveitamos para curtir na praia. Não tem outro lugar que não seja a praia. O calor está do jeito que a gente gosta”, avaliou Sthefane Silva.

Para os amantes do calor, a boa notícia é de que a média esperada para o mês de março em Salvador é 30,9 °C. Para abril, quando as temperaturas começam a cair, a média deve ficar 29,6 ºC. As informações são da Defesa Civil de Salvador (Codesal). Em todo o Verão, o dia mais quente foi registrado no mês de janeiro: localizada em São Tomé de Paripe, a Base Naval de Aratu, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), registrou 36,2 °C no dia 14.

De acordo com o diretor geral da Codesal, Sosthenes Macedo, a previsão do Outono na cidade não foge dos padrões estabelecidos historicamente. “Os meses de abril, maio e junho são os três meses mais chuvosos na história da cidade, na normal climatológica. Dessa forma não é que vai chover pouco, é que vai chover dentro da média histórica. E a média histórica é chuvosa nesses três meses”, explicou.

As chuvas que fecham o Verão, previstas para todo o mês de março, talvez não tenham sido notadas com o mesmo potencial dos anos passados. Até o momento, choveu 78,6 milímetros na capital. A média histórica é de 147,3 milímetros. “Isso [mais chuvas] ainda pode ocorrer. Nós temos os outros 12 dias, visto que na próxima semana é capaz da gente ter chuva também”, afirmou.

O que houve de atípico neste Verão foram as chuvas registradas em fevereiro – quinta-feira e domingo de Carnaval, por exemplo, foram dias de muita chuva na cidade. Para esse mês, a média esperada é de 98,7 milímetros. Neste ano, a Codesal registrou 317 milímetros somente em fevereiro.

*Com orientação da subeditora Fernanda Varela.