ÍNDICE FIPEZAP

Preço dos imóveis em Salvador cresce o dobro da média nacional

Salvador teve terceiro maior aumento em relação às capitais analisadas pelo Índice FipeZAP

  • Foto do(a) author(a) Raquel Brito
  • Raquel Brito

Publicado em 2 de maio de 2024 às 05:15

Venda de imóveis cresce em Salvador
Venda de imóveis cresce em Salvador Crédito: Marina Silva/CORREIO

Salvador registrou uma alta de 1,26% no preço dos imóveis à venda, na comparação entre março e fevereiro. Essa valorização é quase o dobro da média das 50 cidades analisadas pelo Índice FipeZAP no mesmo período: 0,64%. O indicador é o mais respeitado do setor e sua metodologia considera o comportamento dos preços de venda de imóveis residenciais anunciados na internet. Os números atuais foram divulgados na segunda (29) e mostram aquecimento do mercado imobiliário local.

Das 16 capitais pesquisadas, a baiana teve a terceira maior variação, atrás de Curitiba (PR), 1,99%, e Recife (PE), 1,31%. Depois, aparecem Florianópolis (SC), com 1,04%, João Pessoa (PB), 0,98%, e Maceió (AL), 0,90%.

Segundo Cláudio Cunha, presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia (Ademi-BA), o aumento do preço do metro quadrado em Salvador está dentro das expectativas e tende a crescer no segundo semestre.

“Um dado importante a ser analisado é que o VGV (Valor Geral de Vendas) cresceu 4,5% em fevereiro no comparado ao mesmo período de 2023. Outro ponto a ser destacado é que Salvador está com baixo estoque, o que mostra que o mercado está muito aquecido”, analisa.

Pedro Tenório, economista do DataZAP ( instituto responsável pela pesquisa), explica que a crescente do índice de vendas a nível nacional se dá por dois motivos. “Por um lado, o consistente bom desempenho da renda domiciliar média brasileira, refletindo a melhora no mercado de trabalho, pressiona por maiores preços. Outro impulso é oriundo das melhores condições de crédito refletidas em menores taxas de juros e impulso da concessão de crédito via Minha Casa Minha Vida”, diz.

No primeiro trimestre, a variação acumulada no preço dos imóveis em Salvador foi de 2,67%, também maior que a nacional, 1,5%. Em 2023, a alta acumulada na capital baiana foi de 5,8% em relação a 2022. A nível nacional, a alta foi de 5,54%.

Bairros

Segundo a mesma pesquisa, os bairros mais procurados para compra de imóveis em Salvador são Pituba, Imbuí, Brotas, Itapuã, Boca do Rio, Stella Maris, Piatã, Barra, Rio Vermelho e Costa Azul. O indicador aponta ainda que o preço médio dos imóveis na cidade é R$ 5.968 /m². Os bairros com o m² mais caro são Barra (R$ 8.989), Rio Vermelho (R$ 8.160), Caminho das Árvores (R$ 7.996), Ondina (R$ 7.571), Imbuí (R$ 6.806), Pernambués (R$ 6.710), Itaigara (R$ 6.477), Graça (R$ 6.371), Pituba (R$ 6.351) e Brotas (R$ 5.791).

Mesmo com o aumento de preço, o aquecimento do mercado de imóveis é constatado pela corretora Daiane Padilha, 45. Ela afirma ter percebido crescimento nas vendas nos últimos meses, sobretudo na Pituba, onde atua com mais frequência. “Como trabalho mais nesse bairro, tenho demandas constantes pela região. [As pessoas buscam] imóveis mais novos, sem precisar de reforma e com infraestrutura de lazer”, conta.

Foi no Imbuí que Carla Rocha, empreendedora de 43 anos, encontrou seu novo lar. Segundo ela, a escolha se deu devido à segurança do condomínio e ao movimento da região. “Eu gosto de estar perto de bares e restaurantes, porque gosto muito de sair. Mas, também procurei um lugar que não fosse tão próximo a ponto de atrapalhar meu sossego”, brinca.

O Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado da Bahia (Creci) foi procurado para responder como avalia esse aumento nas vendas, a que atribui a alta procura nos bairros que lideram o ranking e quais os perfis dos imóveis mais buscados, mas não houve resposta até o momento.

*Com orientação da subeditora Fernanda Varela