Visitas de desconhecidos eram motivo de briga entre dentista morto em Salvador e amigos

Lucas Maia foi encontrado morto no sábado (25), dentro de casa, no Rio Vermelho

Publicado em 27 de novembro de 2023 às 14:33

Lucas Maia de Oliveira dentista encontrado morto no Rio Vermelho
Lucas Maia de Oliveira dentista encontrado morto no Rio Vermelho Crédito: Reprodução

A segurança de Lucas Maia de Oliveira, 36, que foi assassinado em seu apartamento na Avenida Cardeal Silva, em Salvador, era motivo de preocupação para amigos próximos. O dentista tinha o hábito de levar homens desconhecidos para a residência, onde tinha encontros amorosos. Depois que foi dopado e vítima de roubo no ano passado, Lucas passou a enviar imagens das pessoas que se relacionava para os amigos.

“Já aconteceu de Lucas conhecer uma pessoa na rua e levar para casa. A gente puxava muito a orelha dele, eu briguei diversas vezes com ele por isso”, conta um amigo que preferiu não se identificar.

Ele chegou a receber a foto de um homem que ficou hospedado na casa do dentista entre sábado (18) e terça-feira (21), mas a imagem não ficou armazenada no celular porque foi do tipo visualização única. Amigos suspeitam que esse rapaz voltou ao apartamento para cometer o assassinato. O crime é investigado pela 1º Delegacia de Homicídios (DH/Atlântico).

“Há pouco tempo atrás eu mandei para ele a matéria de Jorge Pedra, que era apresentador e foi morto em um motel. Eu cansei de alertá-lo sobre os perigos que ele corria”, lamenta o amigo. Jorge Pedra era apresentador da TV Salvador e foi assassinado em 2009. No ano seguinte, Emerson Neves de Jesus, na época com 19 anos, confessou ter cometido o crime, mas foi absolvido pela Justiça por falta de provas

Apesar de ter o costume de enviar as imagens dos homens com quem se relacionava para o amigo, isso não foi suficiente para evitar que Lucas fosse morto. Especialistas em segurança alertam para os cuidados que devem ser tomados ao convidar pessoas para casa. “É essencial verificar a identidade e estar, preferencialmente, acompanhado de alguém”, indica Alexandre Deminco, que trabalhou na Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP) por dez anos e é dono da empresa OP Segurança.

Ele indica ainda que as pessoas comuniquem à portaria dos condomínios sobre visitas. Um vizinho de Lucas Maia ouviu um pedido de socorro vindo do apartamento do dentista e acionou a portaria. O porteiro tentou contato com a vítima e foi até a porta de sua residência. Mesmo sem respostas, o agente de portaria não chamou a polícia. O homem já foi intimado a prestar depoimento, segundo a Polícia Civil.

Para Alexandre Deminco, dono de uma empresa de segurança condominial, moradores e funcionários precisam ter comunicação eficiente. “Os funcionários devem seguir protocolos rígidos e sempre solicitar identificação dos visitantes”, indica. As câmeras de segurança do prédio que foram divulgadas mostram o momento que o suspeito sai do apartamento de Lucas e leva o carro e pertences do dentista. O homem roubou celular, televisão e notebook, mas as câmeras não captaram o rosto do suspeito, que usava um capuz.

O especialista em segurança analisa que o elevador deveria ter mais de uma câmera para evitar problemas de identificação. “A maioria das pessoas instalam câmeras sem projeto e qualquer tipo de estudo, que são fundamentais para que se obtenha resultados satisfatórios quando for necessário”, pontua Alexandre Deminco.

Relembre o crime

Segundo a Polícia Civil, familiares de Lucas estiveram na Delegacia de Proteção à Pessoa (DPP), neste sábado (25), para registrar o desaparecimento do homem e foram orientados a procurá-lo em sua casa e hospitais de grande circulação.

O corpo do dentista estava em estado avançado de decomposição. Ainda de acordo com a polícia, o carro da vítima não estava na garagem e o imóvel havia sido revirado e saqueado.

A polícia não divulgou se o corpo de Lucas apresentava sinais de violência. As guias para remoção e perícia foram expedidas e os laudos do Departamento de Polícia Técnica (DPT) devem esclarecer a causa da morte. O caso será apurado pela 1ª Delegacia de Homicídios (DH/Atlântico).