Acusado de matar ex de 15 anos em Itapuã é ouvido em audiência

salvador
28.03.2018, 03:00:00

Acusado de matar ex de 15 anos em Itapuã é ouvido em audiência

“Ele pode beijar o filho, eu só tenho uma lápide”, disse mãe de Andrezza sobre pai de Adriel

Adriel Montenegro dos Santos, 21 anos, preso pelo assassinato da ex-namorada, Andrezza Victória Santana Paixão, 15 anos, foi ouvido em audiência de instrução do júri nesta terça-feira (27). Outras três testemunhas – uma prima de Adriel de 19 anos, além dos pais dele –, também foram ouvidos. 

Lívia Tito, 32, mãe de Andrezza, esteve no Fórum Criminal de Sussuarana, onde aconteceu a audiência, mas não ficou no mesmo local que Adriel. “Eu sempre vou, mas fico em outra sala, porque eu não tenho estrutura pra ficar no mesmo quadrado que aquele indivíduo”, disse, em entrevista ao CORREIO.

Adriel Montenegro foi preso por morte de adolescente no ano passado (Foto: Reprodução)

O advogado da família relatou para Lívia como foram os depoimentos.

“Foi dita muita mentira. Ele disse que comprou uma arma pra se defender e defender Andrezza. Disse que entrou em luta corporal de frente com minha filha mas o tiro foi de costas”, citou Lívia. 

Andrezza foi morta com um tiro na nuca (Foto: Reprodução)

Ela contou ainda que, durante a audiência, o pai de Adriel teria dado um beijo na testa do filho e dito que o amava.

“Eu fico revoltada porque ele pode beijar o filho dele e dizer que o ama. Eu só tenho a lápide de minha filha”, lamentou. 

O caso agora segue para o Ministério Público do Estado (MP-BA) para apreciação. A acusação, que está otimista, pediu que Adriel fosse levado a júri. 

"Eu não tenho a menor dúvida que ele será levado ao plenário do júri popular para julgamento. Tanto autoria do crime quanto a materialidade, está exaustivamente clara nos autos", explica Rogério Matos, advogado da família de Andrezza.

No último dia 22, um pedido de revogação da prisão de Adriel foi negado. Segundo o advogado de defesa, este foi o quarto pedido feito pela defesa. Adriel cumpre prisão preventiva desde o dia 24 de outubro do ano passado, sem data para expirar. 

Caso
As investigações apontam que o crime aconteceu na varanda da casa onde Adriel morava, na Rua do Bispo, em Nova Brasília de Itapuã.

Andrezza teria saído da escola por volta das 17h30, em 17 de abril de 2017, acompanhada pelo ex-namorado. A estudante foi baleada na nuca e chegou a ser socorrida pelo pai de Adriel para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde morreu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas