Aedes aegypti: população de Salvador precisa ficar atenta aos cuidados com arboviroses

salvador
11.03.2021, 12:58:34
Atualizado: 11.03.2021, 13:06:31
(Fotos: Bruno Concha/Secom)

Aedes aegypti: população de Salvador precisa ficar atenta aos cuidados com arboviroses

Sintomas de dengue, zika e chikungunya podem se confundir com os sinais de uma infecção por coronavírus

Apesar da pandemia do coronavírus, também é preciso ficar alerta com as arboviroses dengue, zika e chikungunya. Foi registrada uma redução de mais de 90% no número de casos em Salvador em comparação ao início de 2020, mas ainda é necessário manter os cuidados e ficar de olho nos sintomas, que podem se confundir com a Covid-19.
 
A dengue é dividida em quatro sorotipos, porém com características parecidas. Além disso, o mosquito Aedes aegypti também transmite a zika e a chikungunya. Na maioria das vezes, os sintomas são febre e manchas na pele, independente do agente causador.
 
A epidemiologista Cristiane Cardoso, que é coordenadora do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs), vinculada à Secretaria Municipal de Saúde (SMS), explica que a pessoa pode ter dengue mais de uma vez, sendo que de forma mais grave, podendo levar a óbito. “A dengue tem uma evolução mais complexa, principalmente onde já circularam e circulam os quatro sorotipos”, afirma.
 
Para ela, existe uma preocupação com a probabilidade de uma dengue mais grave – a hemorrágica, por exemplo – por conta da resposta imunológica. “A pessoa em princípio não começa com quadro hemorrágico. Existe um tempo na evolução da doença para que ela passe da clássica para a grave. É neste momento que é preciso ter essa atenção para não evoluir”, explica a especialista.
 
Sintomas e tratamento
Um dos pontos que diferenciam as três arboviroses são as dores nas articulações, comuns em quem contrai chikungunya. Entretanto, é difícil distinguir uma da outra sem um teste diagnóstico mais claro. Na zika, uma das características são as manchas e coceiras na pele – se agravar, pode evoluir para a síndrome de Guillain-Barré, que causa paralisia dos membros inferiores e outras sequelas.
 
Uma das outras gravidades da zika é quando a infecção ocorre em gestantes, pois os bebês podem nascer com a síndrome congênita do vírus. “Não é só microcefalia, mas tem outros acometimentos como a total impossibilidade de movimento, processos convulsivos, e até mesmo problemas oftalmológicos e de surdez. Ou seja, um conjunto de problemas de saúde que o bebê apresenta e a microcefalia passa a ser um deles”, alerta Cristiane.
 
Para as três arboviroses, é indicado o uso de paracetamol para amenizar as dores. No entanto, o mais seguro é consultar um médico, que vai prescrever o tratamento mais adequado para cada caso.
 
Dengue x Covid 
Sobre a diferença nos sintomas entre a dengue e a Covid, a epidemiologista afirma que a semelhança se deve à febre e dor no corpo, mas o coronavírus provoca problemas respiratórios, o que não ocorre com a dengue.
 
A coordenadora do Cievs lembra que ações simples são essenciais para evitar a proliferação do mosquito. “É muito mais rápido e sustentável se você puder fechar o tanque, virar as garrafas, limpar o quintal e ver se não tem nenhuma larva diariamente. É importante que cada um cuide do seu espaço. A prevenção está na mão de todos nós”, conclui Cristiane.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas