Aglomerações, agressões e crimes eleitorais marcam dia de votação no interior da Bahia

bahia
15.11.2020, 22:18:00
Atualizado: 15.11.2020, 23:13:45

Aglomerações, agressões e crimes eleitorais marcam dia de votação no interior da Bahia

Desrespeito aos protocolos contra a covid foi ainda maior à noite, durante apuração

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Aglomeração, briga na rua, e agressão a candidatos e até a um ex-prefeito. Pelo interior da Bahia, o dia de votação foi marcado por tumultos, incluindo ainda filas que contrariam todos os cuidados necessários para conter a pandemia de covid-19. Apesar das mudanças definidas pela justiça eleitoral, os relatos por várias cidades traziam cenários parecidos com os de eleições passadas: agitação e demora para votar. 

O estudante Felipe Araújo, 21 anos, foi um dos que não viu melhoras. Fora as máscaras obrigatórias na hora de votar, o jovem conta que não percebeu muitas diferenças. As medidas de segurança, inclusive, influenciaram na demora e formação de filas em Cruz das Almas. "Voto na seção mais nova da cidade, que tem menos eleitores, e pela primeira vez peguei fila. Pelo menos 40 minutos. Todo processo de higienização, só entrar na seção de um em um, isso tornou tudo mais demorado. Em anos anteriores, não importava a hora que eu fosse nunca encontrava ninguém”, relata. 

Toda família de Felipe, que também vota na cidade, enfrentou a mesma situação. “Tanto meus pais, quanto meus irmãos, todos votam em lugares diferentes, e todo mundo pegou fila. Do lado positivo, acho que a diferença maior é que as pessoas não foram pra rua. Geralmente, o povo vai pra praça, faz festa. Isso a gente não viu aqui na cidade esse ano”, conta ele.

A situação das filas não foi diferente em Conceição do Coité, onde vota o estudante Breno Pereira, 23. “Eu não peguei fila porque fui mesário, mas houve fila o tempo todo, o mesmo tumulto de sempre pela cidade. Nada muito diferente em relação a outras eleições”, relata Breno.

O universitário Thairo Bulcao, 21, eleitor em Valença, também reprovou o processo por lá. “Tinha pouca sinalização de distanciamento no chão, as pessoas estavam aglomeradas, seja por se conhecerem ou por conta da fila em si, ficaram amontoados”, comentou.

Ilhas de tranquilidade
Apesar da maioria dos eleitores apontar para a inobservância das recomendações geradas na eleição em razão da pandemia, houve cidades em que a experiência dos eleitores foi tranquila e as medidas de segurança respeitadas.

“Aqui foi muito tranquilo, sem nenhuma fila e muito rápido. O único contratempo foi ter que esperar o álcool em gel na mão secar para assinar a lista de presença, o que demorou 15 segundos, mais do que o tempo do voto em si. Me senti seguro, estava tudo tranquilo, todo mundo de máscara”, conta o engenheiro agrônomo Renato Fernandes, 51, que votou em Teixeira de Freitas.

“Achei tudo muito bem equipado, as filas demarcadas, todas as salas com álcool gel. Nem peguei fila para votar”, completa a universitária Gabriela Santos, eleitora de Caetité. 

Apuração e comemorações
Após o período de votação, encerrado às 17h, as aglomerações no interior ficaram ainda mais intensas para acompanhar as apurações e comemorar a vitória desse ou daquele candidato.

O CORREIO teve acesso a registros em vídeo de aglomerações em cidades como Capim Grosso, São Domingos e Riachão do Jacuípe. Em todas, apoiadores dos candidatos aguardavam o resultado com música alta, sem respeito ao distanciamento ou a qualquer outra medida de segurança, com a maioria das pessoas sem máscaras.

Em Riachão, segundo moradores, apoiadores dos dois candidatos estiveram aglomerados durante todo o dia. Por volta das 19h, uma comemoração se iniciou em frente à sede da prefeitura.

“As rádios já apontavam vitória de um dos candidatos, e começou uma festa. Eles já tinham passado o dia todo reunidos, tanto um candidato quanto o outro. Um absurdo que em plena pandemia a gente veja eleições acontecendo assim, como se estivesse tudo normal’, diz uma moradora, que preferiu não se identificar. 

Agressões e brigas
Além do tumulto gerado pelo fluxo dos eleitores, o dia de votar também foi marcado por brigas e agressões no interior. Em Santo Antônio de Jesus, um vídeo que circulou nas redes sociais mostra uma briga entre grupos políticos rivais. As imagens mostram dois homens se agredindo com socos e pontapés; um deles usa inclusive o mastro de uma bandeira nas agressões. As agressões só param quando os envolvidos são contidos por outros moradores. 

Por lá, apoiadores do empresário Genival Deolino, prefeito eleito da cidade, também se aglomeraram nas ruas, durante as comemorações.

Em Santo Antônio de Jesus, aglomeração nas ruas para celebrar vitória de candidato (Foto: Divulgação)

Em Feira de Santana, o ex-prefeito Tarcízio Pimenta foi agredido enquanto gravava um vídeo para suas redes sociais. O próprio ex gestor feirense publicou em suas redes um vídeo em que aparece caído na rua após o episódio. O CORREIO tentou contato com Pimenta, mas ele não atendeu às ligações.

Já em Itatim, uma briga entre dois candidatos a vereador foi parar na delegacia. De acordo com informações da Secretaria da Segurança Pública (SSP), no final da manhã, um dos candidatos percebeu uma movimentação estranha na porta da sua residência, impedindo a sua saída, e acionou a polícia. Uma equipe do 11º Batalhão da Polícia Militar foi enviada até o local e constatou que um político, que também concorre a vaga no Poder Legislativo, participava do tumulto.

Após o desentendimento dos candidatos, ambos foram conduzidos até a delegacia da cidade e a Justiça Eleitoral foi comunicada.

Crimes eleitorais
As eleições no estado foram marcadas também por flagras de crimes eleitorais como compra de votos e a conhecida boca de urna, proibida pela legislação. Em Porto Seguro, equipes da Polícia Militar conduziram dois suspeitos de infrações. De acordo com a SSP, foram identificado transporte ilegal de eleitores e compra de votos. Na localidade de Arraial d'Ajuda, os militares encontraram um candidato a vereador com R$ 3 mil em espécie e cestas básicas. Dentro do carro os policiais encontraram mais três pessoas, uma delas menor de idade.

Pouco depois, no colégio Frei Calixto, no bairro de Baianão, um homem foi detido pelos crimes de transporte ilegal de eleitores e boca de urna. Os dois flagrantes foram apresentados no Fórum Eleitoral de Porto Seguro.

Crimes semelhantes também foram flagrados pela polícia em pelo menos três outros municípios: Santo Antônio de Jesus, Correntina e Tabocas do Brejo Velho. Ainda de acordo com a SSP,  em Correntina, no oeste baiano, a polícia flagrou dois homens, um deles candidato a vereador, comprando votos. Os homens foram apreendidos com R$ 1,5 mil em espécie, uma agenda com nomes de possíveis eleitores e "santinhos".

Já em Santo Antônio de Jesus, um homem foi preso entregando 24 cestas básicas para moradores do Loteamento dos Prazeres, no bairro de Cajueiro. Ele transportou os donativos em um carro plotado com propaganda de um candidato a prefeito. Na cidade de Tabocas do Brejo Velho, a polícia apreendeu "santinhos", bandeiras, adesivos e fogos de artifício com dois adultos e dois adolescentes. Em todos os casos, os flagrantes foram comunicados à Justiça Eleitoral, que fica responsável pela aplicação das penas. 

*Com orientação do chefe de reportagem Jorge Gauthier.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas