Alimentação e transporte puxam inflação de março da RMS para cima

bahia
09.04.2020, 11:29:00
Atualizado: 09.04.2020, 11:32:01

Alimentação e transporte puxam inflação de março da RMS para cima

Índice foi de 0,17%, praticamente igual ao de fevereiro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Medida oficial da inflação, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)  ficou em 0,17% na Região Metropoliana em março deste ano - perto da taxa de fevereiro (0,16%), mas abaixo da inflação de março do ano passado (0,76%). Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),  alimentação em casa (+1,15%), gasolina (+2,14%) e passagens de ônibus (+3,50%) foram os ítens que mais contribuiram com a inflação na RMS este mês.

Seis dos nove grupos de produtos e serviços do IPCA tiveram alta em março na RMS. O grupo educação (+0,69%) foi o que teve o maior aumento, ainda por conta dos reajustes anuais das mensalidades escolares, avalia o IBGE. Aparece em segundo lugar o grupo de alimentação e bebidas (+0,59%). Em terceira está o grupo dos transportes (+0,32%).

Mesmo estado em quarto na lista de maiores aumentos, os transportes dão a segunda maior contribuição para puxar o IPCA para cima, já que são a segunda maior despesa das famílias da RMS, de acordo com o IBGE. As principais influências no aumento de gastos nos transportes foram a  gasolina (+2,14%), e os ônibus urbanos (+3,50%).

O aumento dos alimentos foi fortemente influenciado por aqueles consumidos em casa (+1,15%), já que a alimentação fora do domicílio teve deflação em março (-0,81%). Produtos como o tomate (+23,69%), a cebola (+30,27%), a cenoura (+33,22%) e a banana-prata (+7,81%) foram alguns dos que tiveram altas importantes na RMS.

No período, o grupo que teve maior queda foi o de artigos de residência (-2,06%). E, apesar do aumento em geral nos transportes, as passagens aéreas tiveram forte queda em março (-15,82%), sendo o item que mais contribuiu para segurar a inflação no período.

Ainda assim, a inflação de março na RMS foi maior que a média nacional (0,07%). No mês o IPCA teve as maiores variações em Campo Grande/MS (0,56%), na Região Metropolitana do Rio de Janeiro/RJ (0,46%) e na cidade de Aracaju/SE (0,41%). Por outro lado, 4 dos 16 locais pesquisados pelo IBGE tiveram deflação, liderados Goiânia/GO (-0,74%), RM Porto Alegre/RS (-0,32%) e Brasília (-0,22%).

Com os resultados de março, a inflação acumula alta de 0,67% no primeiro trimestre de 2020, na RM Salvador, acima do registrado no Brasil como um todo (0,53%). Nos 12 meses encerrados em março, a inflação acumulada na RM Salvador ficou em 3,27%, desacelerando em relação aos 3,88% acumulados até fevereiro e ainda um pouco menor que a média do país (3,30%).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas