Alimentos, bebidas e transporte puxam alta da inflação na RMS, diz IBGE

bahia
11.01.2019, 10:27:00
(Foto: Arquivo CORREIO)

Alimentos, bebidas e transporte puxam alta da inflação na RMS, diz IBGE

Cidades da região metropolitana da capital têm 4ª maior inflação do país

Em 2018, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medida oficial da inflação, foi de 4,04% na Região Metropolitana de Salvador (RMS), muito acima dos 2,14% registrados em 2017. O resultado ficou acima também da média nacional (3,75%), sendo o quarto maior do país, atrás apenas de Porto Alegre (4,62%), Rio de Janeiro (4,30%) e Vitória (4,19%).

Os menores índices foram registrados em Aracaju (2,64%), São Luís (2,65%) e Recife (2,84%). A inflação apontada pelo IPCA na Região Metropolitana de Salvador (4,04%), em 2018, foi resultado dos avanços nos preços em oito dos nove grupos de produtos e serviços que compõem o índice.

Os aumentos em Alimentação e Bebidas (4,82%), Transportes (4,46%) e Habitação (5,36%) foram os que mais contribuíram para o resultado do ano, uma vez que são grupos de grande peso nas despesas das famílias.

Refeição (9,59%), Energia Elétrica Residencial (12,29%) e Gasolina (8,81%) foram os itens que, individualmente, mais puxaram o IPCA de 2018 para cima, na Região Metropolitana de Salvador, em 2018. Plano de Saúde (10,59%) aparece em seguida, sendo o item que mais influenciou na alta do grupo Saúde e Cuidados Pessoais (3,35%) no ano passado.

O único grupo que apresentou queda em 2018 foi Comunicação (-0,19%), influenciado, sobretudo, pelo recuo nas despesas com aparelho telefônico (-7,4%) e telefone fixo (-1,3%)

De novembro para dezembro, o IPCA acelerou fortemente na RM Salvador, passando de -0,31% para 0,56%, e ficando bem acima da média nacional (0,15%), nesta comparação. Foi o terceiro maior resultado do país, ficando atrás apenas de Aracaju (0,67%) e Rio Branco (0,63%). Apresentaram deflações Curitiba (-0,17%), Goiânia (-0,03%) e Grande Vitória (-0,01%)

O resultado de dezembro, na RM Salvador (0,56%), foi influenciado pelo avanço em cinco dos nove grupos de produtos e serviços que compõem o IPCA. Os grupos que mais pesaram no resultado foram Alimentação e Bebidas (2,07%) e Vestuário (1,49%), com destaques para batata inglesa (56,32%) e camisa masculina (2,28%).

Já o grupo Transportes, que foi uma das principais pressões inflacionárias no ano de 2018, recuou no mês de dezembro (-0,64%), sendo a principal influência no sentido de conter a inflação do mês, na RMS. A gasolina, que foi uma das principais influências para a inflação do ano, recuou em dezembro (-6,79%) e foi o item que, individualmente, mais pesou para conter a inflação no mês.

Também tiveram quedas no mês os gastos com Habitação (-0,49%), Artigos de Residência (-0,27%) e Comunicação (-0,01%), com destaques para energia elétrica residencial (-3,57%), móvel para sala (-1,22%) e aparelho telefônico (0,14%). 

Na Região Metropolitana de Salvador, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação das famílias com menores rendimentos, acelerou fortemente em relação a novembro (de -0,21% para 0,63%) e fechou o ano em 3,70%, acima da média nacional (3,43%).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas