Ameaças e facada: A vida conturbada do sertanejo que fez a ex refém em Sussuarana

salvador
20.09.2021, 15:24:00
(Reprodução)

Ameaças e facada: A vida conturbada do sertanejo que fez a ex refém em Sussuarana

Pais da vítima já chegaram a dar dinheiro para John Lima sumir da vida da filha

O homem que invadiu a casa da ex-companheira e deixou ela na mira de uma faca por quase quatro horas é o cantor sertanejo João Lima, que se identifica como 'John Lima' nas redes sociais, onde acumula cerca de 1.800 seguidores. Ele invadiu a casa da sua ex-mulher, a técnica de enfermagem Flávia Souza Santos, 30 anos, nesta segunda (20), em Sussuarana, e fez ela refém. Familiares relatam que há histórico de agressão no relacionamento.

Em suas publicações na internet, o agressor costuma postar vídeos onde aparece se apresentando e cantando hits românticos como 'Notificação Preferida', da dupla Zé Neto e Cristiano, e também músicas acústicas. No entanto, segundo a família da moça, ele costumava ser outra pessoa longe dos palcos.

Parentes da ex-companheira do cantor disseram que os dois mantiveram uma relação de quase 10 anos, com várias idas e vindas, e relataram que John era agressivo. A mãe de Flávia diz que ela chegou a registrar queixa contra ele na Deam.

"Eles vivem brigando. Ele era muito ciumento. Ele também me ameaçava. Sempre exigia dinheiro e eu dava para ver a minha filha livre dele. Cheguei a comprar uma moto e antes mesmo de resolver a documentação, ele vendeu. Eu não sei a quem ele deve tanto assim. Pra ver a minha filha numa situação melhor, cheguei a pegar dinheiro com agiota pra dar pra ele", diz a mãe da vítima, Maria Hilda de Souza, 65 anos.

O pai de Flávia, Gerson Pereira Santos, 64, disse que a filha já foi ferida com golpes de arma branca pelo ex. "Ele é um covarde, porque homem que bate em mulher é covarde. Ele já furou ela. Neste dia ela foi socorrida pelo padrinho ao HGE. E eles não estavam juntos", diz.

Maria Hilda foi quem chamou a polícia para ajudar a libertar a filha (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Hermes Agostinho, marido da prima de Flávia e irmão de consideração do cantor, também relatou episódios. "Eles brigavam constantemente. Eu mesmo já separei as brigas e uma delas já levei um murro dele. Ele me considera mais que os irmãos dele de sangue e foi por isso que, durante a negociação, ele pediu para eu descer, para falar com ele, mas a polícia não deixou", contou.

"Quando eles tiverem o primeiro filho, as brigas eram intensas, mas não passavam das ofensas. Mas depois da segunda criança, ele começou a agredi-la fisicamente várias vezes ao dia", contou uma prima Flávia.

Cárcere
Aos parentes, John diz que chegou de madrugada e quis ir embora 1h, mas Flávia não deixou. Depois disso, ele descobriu no celular de Flávia conversas que ela teria com outro homem. Ele ligou para a pessoa das mensagens, que confirmou a relação com Flávia.

A partir daí, ele começou a exigir o dinheiro de volta. Depois disso, passaram a noite brigando, inclusive com agressões físicas. Pela manhã, ele a impediu de sair de casa.

De dentro da casa, John manteve contato com parentes através de mensagens de celular. Ele pediu água e também solicitou a presença de um advogado, que chegou por volta das 11h15. 

A polícia foi para o local após a mãe da vítima se dirigir até a sede da 48ª CIPM, que fica a poucos metros do local, e informar sobre a agressão que a filha sofria de um ex-companheiro. Imediatamente a casa foi isolada e os militares iniciaram a negociação. 

John Lima liberou Flávia no final da manhã, depois de quase quatro horas de negociação com a polícia. Por volta das 11h45, John e Flávia saíram de rostos cobertos e foram atendidos no local pela ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Uma multidão que acompanhava a negociação vaiou John e pediu que a polícia o entregasse aos populares. Os dois foram levados para a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), em Brotas.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas