Animal microscópico sobrevive 24 mil anos no permafrost siberiano

em alta
07.06.2021, 20:01:00
Micróbios unicelulares capazes de feitos semelhantes já haviam sido identificados (Foto: Reprodução/Current Biology)

Animal microscópico sobrevive 24 mil anos no permafrost siberiano

Os rotíferos agora podem ser adicionados à lista de organismos que aparentemente podem sobreviver indefinidamente

Um animal microscópico chamado rotífero bdeloide voltou à vida após permanecer congelado por 24 mil anos no permafrost da Sibéria e, posteriormente, conseguiu se reproduzir assexuadamente, informou uma equipe de cientistas russos nesta segunda-feira, 7.

Stas Malavin, coautor de um artigo na revista Current Biology sobre a descoberta, disse à AFP que ela levanta questões intrigantes sobre quais mecanismos o animal multicelular usou para suportar seu longo descanso.

"Nosso relatório é a prova mais concreta até o momento de que animais multicelulares podem suportar dezenas de milhares de anos em criptobiose, o estado de metabolismo quase completamente interrompido", disse Malavin, do Instituto de Problemas Físico-Químicos e Biológicos em Ciências do Solo, localizado em Pushchino, Rússia.

A equipe de pesquisa usou uma plataforma de perfuração para coletar amostras do núcleo do rio Alazeya, no Ártico russo, e então usou datação por radiocarbono para determinar que a idade do espécime estava entre 23.960 e 24.485 anos. Eles já haviam identificado micróbios unicelulares capazes de feitos semelhantes.

Em termos de organismos multicelulares, houve um relato de um verme nematoide de 30.000 anos que voltou à vida, e musgos e algumas plantas também se regeneraram após milhares de anos no gelo.

Os rotíferos agora podem ser adicionados à lista de organismos que aparentemente podem sobreviver indefinidamente, disse Malavin.

Uma vez descongelado, o animal foi capaz de se reproduzir assexuadamente por meio de um processo denominado partenogênese. Os rotíferos têm cerca de meio milímetro de comprimento e geralmente vivem em ambientes de água doce.

Seu nome é derivado do latim para "portador de roda", que se refere à coroa em torno de sua boca, que se parece com uma roda giratória. Eles a usam para se mover e se alimentar.

"Podemos usar este organismo como modelo para estudar a sobrevivência por congelamento e a sobrevivência por secagem neste grupo, e comparar este grupo com outros animais resistentes, como tardígrados, nematoides, etc.", acrescentou Malavin.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas