“ANTT precisa prestar contas do que a concessão da FCA trouxe à Bahia”, diz Tramm em evento sobre ferrovias do estado

especiais patrocinados
16.04.2021, 06:00:00
Atualizado: 16.04.2021, 11:16:26
(Divulgação)

“ANTT precisa prestar contas do que a concessão da FCA trouxe à Bahia”, diz Tramm em evento sobre ferrovias do estado

Presidente da CBPM foi um dos convidados no webinar “A Bahia nos Trilhos”, ocorrido nesta semana

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

As críticas ao estado de abandono da malha ferroviária baiana, administrada pela empresa VLI desde os anos 90, deram o tom das falas no webinar “A Bahia nos Trilhos”, ocorrido na tarde da última quarta-feira, 14. 

Participaram do evento o presidente da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), Antonio Carlos Tramm, o especialista em ferrovia e logística Bernardo Figueiredo, o secretário de Desenvolvimento Econômico de Juazeiro, Carlos Neiva, e o ex-senador Waldeck Ornelas. O evento foi moderado pelo diretor-executivo da Associação de Usuários dos Portos da Bahia (Usuport), Paulo Villa. 

Durante sua fala, Tramm cobrou que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) demonstrasse os investimentos feitos pela VLI na malha baiana. “A concessionária precisa entregar a ferrovia no mesmo estado em que recebeu. Não temos nada contra a privatização, mas é preciso que ela seja benéfica para a população. O governo federal não cobrou nada deles, não fiscalizou, não exigiu a manutenção nem a modernização, e hoje temos trens que andam a ‘fabulosos’ 11 km/h, não transporta mais gente e nem cargas”, disse.

Figueiredo defendeu a criação de um projeto que integre a região nordeste ao restante do país. “Hoje nossa região é desconectada do sudeste. O PNL (Programa Nacional de Logística) de 2015 já mostrava que as rodovias BR 101 e 116 são os corredores com mais carga do Brasil e paralelo a elas na Bahia nós temos uma ferrovia que está abandonada. Já estava abandonada na época da administração federal e continuou com a concessão. Então precisamos fazer um remodelamento dessa linha, para conectar o nordeste ao sudeste. Se a VLI não tem interesse em fazer isso, ela deveria entregar o trecho e permitir que outra concessionária faça”, afirmou. 

Em seguida, Carlos Neiva informou que 92% da manga exportada no país sai do vale do São Francisco e é escoada pelo porto de Suape, em Pernambuco, gerando enorme perda de recursos para a Bahia. “Além do mercado de frutas, que poderia ser escoado de trem, o norte Baiano tem ainda o cobre da Mineração Caraíba, que já atua há décadas na região e está em crescimento, e uma nova fonte de cargas vindas da Colomi Iron, que já anunciou investimentos de R$ 11 bilhões numa mina de minério de ferro. Acho que falta atenção à força que nós temos aqui no norte, com o agronegócio, mineração, as energias renováveis”, disse. 

Para o ex-senador Waldeck Ornelas, a Fiol vai ser o mais importante projeto do novo século na Bahia, em oposição ao abandono da malha tradicional baiana. “O primeiro impacto já neste trecho 1 é a reanimação do litoral sul, que foi inteiramente degradada desde meados dos anos 80. Por outro lado, não podemos aceitar que a malha tradicional, fundamental para a região metropolitana de Salvador, permaneça abandonada. A renovação antecipada da concessão apresenta ausência explícita de investimentos na malha baiana, salvo se custeado pelos usuários. Isto significa esterilização e é inaceitável”, concluiu Ornelas. 

Os participantes chegaram à conclusão de que a Bahia não pode passar mais 30 anos sem uma malha ferroviária ativa e competitiva, que sirva de integração com a região sudeste e que atue como facilitador para a execução do enorme potencial produtivo do interior do estado. Por isso, é preciso lutar para que a nova concessão da FCA garanta os investimentos necessários para a revitalização do trecho que passa pelo estado. 

A íntegra do evento pode ser reassistida no youtube da Usuport.

Este conteúdo conta com o apoio institucional da CBPM.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas