Anvisa determina recolhimento de lotes de Losartana; saiba mais

em alta
23.06.2022, 15:20:24
(Reprodução )

Anvisa determina recolhimento de lotes de Losartana; saiba mais

Pacientes que usam o remédio, mesmo nos lotes afetados, devem continuar o uso, segundo a agência

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou, nesta quinta-feira (23), o recolhimento e interdição de diversos lotes de vários fabricantes do medicamento Losartana, usado para tratar pressão alta.

A agência recomendou que os pacientes que usam o remédio, mesmo que ele esteja entre os lotes afetados, devem continuar o tratamento, pois a medida é preventiva.
Em caso de dúvida ou se precisar de orientação, o paciente deve conversar seu médico.

"A hipertensão e insuficiência cardíaca exigem acompanhamento constante e qualquer alteração no tratamento deve ser feita somente pelo médico que acompanha o paciente. Deixar de tomar o medicamento pode trazer riscos para a saúde do paciente", reforçou a Anvisa.

O que fazer? 

O paciente que identificar seu medicamento entre os lotes afetados deve continuar o tratamento e procurar orientação médica. É importante não interromper o tratamento. 

Após a consulta médica, se for o caso de trocar o medicamento, o paciente deve entrar em contato o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) do laboratório que fabrica a sua Losartana para se informar sobre a troca.

O contato das empresas aparece na embalagem e na bula do remédio. É dever da empresa fazer a substituição ou a troca do remédio – os lotes que foram mantidos no mercado são considerados seguros e podem ser consumidos.

A troca das medicações foi justificada pela Anvisa por ter detectado impureza “azido” – uma substância que pode causar mutações – em uma concentração acima do limite de segurança aceitável nos remédios. A medida é preventiva.

A presença do azido no insumo farmacêutico da Losartana foi identificado no mundo em setembro de 2021. O contaminante pode aparecer durante a produção do insumo farmacêutico ativo, que é utilizado pela indústria farmacêutica para fabricar o medicamento final.


 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas