Anvisa 'está aberta para discussão' sobre vacina Sputnik V, diz gerente-geral

coronavírus
12.03.2021, 11:16:16
Atualizado: 12.03.2021, 11:25:54

Anvisa 'está aberta para discussão' sobre vacina Sputnik V, diz gerente-geral

Governo da Bahia deve assinar contrato para compra de doses nesta sexta-feira (12)

O gerente-geral de Medicamentos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Gustavo Mendes, afirmou nesta sexta-feira que, apesar de o órgão regulador não ter recebido respostas às exigências sobre a vacina Sputnik V, a Agência segue aberta para discussão com a empresa responsável, a União Química, para a avaliação de uso do imunizante.

Na quinta-feira, 11, o governador do Piauí, Wellington Dias, coordenador do Fórum dos Governadores do Brasil na temática vacina, anunciou que nesta sexta-feira deverá ser fechado acordo para a compra de 39 milhões de doses deste imunizante. A decisão foi tomada após reunião dos governadores do Nordeste com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e definiu que os imunizantes serão incorporados ao Plano Nacional de Imunização.

O governador Rui Costa também anunciou a assinatura do contrato para compra de seis de milhões de doses da vacina. “Não poderia deixar de passar para dar uma boa notícia. Tudo pronto para assinar nesta sexta-feira, dia 12 de março, o contrato do Governo do Estado da Bahia com o Fundo Soberano Russo para compra de 6 milhões de doses da vacina Sputnik V. Passamos os últimos dias detalhando o contrato com a Procuradoria Geral do Estado e estamos prontos para amanhã finalizar, eu diria, essa expectativa, essa esperança do povo baiano em ver acelerada a vacinação”, disse Rui.

Segundo Mendes, as informações exigidas para o uso emergencial da vacina russa ainda não foram respondidas. De acordo com o gerente da Anvisa, a reguladora e a União Química estão conversando para que haja a divulgação dos requisitos exigidos. "A expectativa é que os próximos passos sejam tomados pela empresa", afirmou.

Moderna
De acordo com Mendes, a Anvisa não recebeu, até o momento, nenhum pedido de importação, uso emergencial ou registro da vacina da Moderna. Em sua avaliação, a aprovação do imunizante não seria um problema, visto que outros países que compartilham as mesmas especificidades da Agência o aprovaram.

Jansen
A vacina da Johnson&Johnson não teve enviado pedido de uso emergencial ou registro para o Brasil, afirmou Mendes. Em 18 de janeiro, o Diário Oficial da União publicou um certificado da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) com selo de boas práticas na fabricação da Janssen.

Covaxin
A vacina indiana ainda não apresentou um pedido formal de uso emergencial nem registro. Segundo o gerente da Anvisa, há interesse do laboratório Bharat Biotech em desenvolver estudo clínico em parceria com o Hospital Albert Einstein, de São Paulo

Outras vacinas
Mendes também destacou estudos para a elaboração de vacinas contra a covid-19 que são desenvolvidos por institutos de pesquisa brasileiros como a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (SP), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas