Anvisa recomenda flexibilização de regras sanitárias para entrada de pessoas vindas da Ucrânia

brasil
04.03.2022, 06:44:00

Anvisa recomenda flexibilização de regras sanitárias para entrada de pessoas vindas da Ucrânia

Para casos de repatriação, a agência sugeriu a dispensa do comprovante de vacinação contra covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou ao governo federal a flexibilização das regras para receber todas as pessoas que vierem ao Brasil em fuga da guerra na Ucrânia. Em nota técnica enviada à Casa Civil, o órgão fez recomendações para a entrada de brasileiros por voos de repatriação ou por meios diferentes, como voos civis.

Para casos de repatriação, a agência sugeriu a dispensa do comprovante de vacinação contra covid-19, de testagem pré-embarque e do preenchimento da Declaração de Saúde do Viajante (DSV).

A Anvisa recomendou também uso de máscaras de proteção por todos os viajantes, inclusive pela tripulação, preferencialmente os modelos PFF2 ou N95, durante todo o voo. A tripulação deve estar com esquema vacinal completo contra covid-19 e realizar teste para rastreio da infecção pelo vírus previamente ao embarque no Brasil. Caso os passageiros apresentem sintomas de Covid-19 durante o voo ou testem positivo para identificação do Sars-Cov-2, devem ser acomodados mantendo distanciamento dos demais passageiros. Os não vacinados devem fazer quarentena na cidade de destino final.

Em relação aos voos convencionais, a agência sugeriu realização de quarentena pelos não vacinados na cidade de destino final; preenchimento da DSV, quando possível; e manutenção das medidas não farmacológicas, em especial o uso de máscaras faciais, preferencialmente do tipo N95 ou do tipo PFF2.

O órgão ponderou ainda que os testes de covid não são obrigatórios, mas devem ser feitos sempre que possível, e que a vacinação deve ser oferecida aos não imunizados.

"A Agência reconhece a situação excepcional fundada em notória situação humanitária decorrente de estado de guerra em curso. Nesse cenário, a prioridade máxima deve se voltar ao acolhimento e ao resgate imediato das pessoas provenientes das regiões de conflito", argumenta a Anvisa na nota.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas