Após desmonte de acampamento, grupo lança fogos de artifício contra o STF

brasil
14.06.2020, 08:04:00

Após desmonte de acampamento, grupo lança fogos de artifício contra o STF

Grupo pró-Bolsonaro acampava no DF há algum tempo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Depois que o governo do Distrito Federal desmontou um acampamento de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, o grupo, que se chama de "300 do Brasil, lançou fogos em direção ao Supremo Tribunal Federal (STF), na noite de sábado (13). 

Em vídeo divulgado nas redes sociais, um homem aparecendo falando insultos e citando por nome alguns dos ministros - Carmen Lúcia, Rosa Weber, Dias Toffoli, Ricardo Lewandoski e Gilmar Mendes. "Se preparem, Supremo dos bandidos, aqui é o povo que manda", diz ele nas imagens.

Por conta do ato, o governo determinou o fechamento da Esplanada dos Ministérios, para evitar ataques.

De acordo com a Polícia Militar, o grupo de cerca de 30 pessoas realizou um culto na Praça dos Três Poderes, que foi encerrando com os fogos.

Fim do acampamento
O 300 do Brasil, liderado pela ativista Sara Winter, um dos alvos da operação sobre fake news do STF, foi retirado ontem do acampamento como parte do programa DF Legal, do governo do DF, que fiscaliza ocupações ilegais.

"Houve diversas tentativas de negociação para a desocupação da área, mas, infelizmente, não houve acordo. Os acampamentos foram desmontados sem confronto", informou ontem a Secretaria de Proteção da Ordem Urbanística do Distrito Federal, explicando que os manifestantes ocupavam área pública na Esplanada dos Ministérios, o que não é permitido, com um acampamento irregular.

Também foi citado decreto que proíbe aglomerações de mais de 100 pessoas sem autorização prévia do governo do DF.

Sara Winter acusou a PM de usar "gás de pimenta e agressões" para dispersar o acampamento. Pediu ainda uma "reação" do presidente Bolsonaro, afirmando que "a militância bolsonarista foi destruída hoje". 

O filho de Bolsonaro, deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) questionou a ação da polícia. Ele postou um vídeo que PMs usam spray de pimenta. "O que essas pessoas estavam fazendo de errado ou ruim para que o governador Ibaneis determinasse sua remoção?", escreveu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas