Após morte de coelha, hotel pet em Lauro de Freitas é autuado por falta de registro

salvador
01.12.2021, 19:07:00
Atualizado: 01.12.2021, 19:19:21
(Foto: Maína Diniz)

Após morte de coelha, hotel pet em Lauro de Freitas é autuado por falta de registro

Vigilância Sanitária também afirmou que o local estava funcionando sem alvará sanitário

Após receber denúncias de negligência e maus tratos ligados à morte da coelha Nicinha no último dia 29, a clínica veterinária e hotel para animais de estimação Jack's Pet Resort, em Lauro de Freitas, recebeu vistoria em uma ação conjunta entre a Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur), Vigilância Sanitária (Visa) e Conselho Regional de Medicina Veterinária da Bahia (CRMV). Funcionando de forma irregular, o local foi notificado pela Prefeitura e autuado pelo Conselho.

De acordo com o CRMV, o estabelecimento recebeu autuação por falta de registro e, agora, terão um prazo de 30 dias para regularização. Isso significa que a empresa estava funcionando de forma irregular, sem registro junto a Autarquia Federal.

Leia mais: Negligência: morte de animal em hotel para pets em Lauro de Freitas revolta tutora

Além disso, o coordenador da Visa, Adriano Almeida, afirmou que o local estava funcionando sem alvará sanitário. “O hotel foi intimado e tem cinco dias para abrir processo de licenciamento sanitário na Visa. Além disso, responderá a outra intimação, com prazo de resposta de 72 horas, relacionada a higienização e organização dos ambientes”, falou.

Logo na entrada, a equipe constatou vasilhames sem identificação adequada relacionadas a rótulos e validade dos produtos, além de sujeira na parte de banho e tosas de animais. Produtos de limpeza próximos a área da piscina e de uso dos animais também acenderam o alerta relacionado aos riscos na exposição.

Antes, já temendo vistorias que poderiam ser realizadas, após o caso vir à tona, uma das sócias do local enviou uma mensagem em um grupo de membros do resort onde "instruiu que deixasse tudo limpo".

Os registros ainda mostram os funcionários repercutindo o assunto desde que a negligência foi denunciada pela tutora, Thais Borges, nas redes sociais. Nos prints, uma sócia comenta: “Agora, falar que os cachorros dela estão sendo cuidados lá, ela não fala”, em referência aos dois cachorros da tutora, que também estavam hospedados no local. Ambos os animais foram transferidos para outros lugares, após o primeiro contato referente à morte de Nicinha.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas