Após revolta de famílias, Manaus tem enterros com caixões empilhados cancelados

coronavírus
28.04.2020, 16:05:00
Atualizado: 28.04.2020, 16:10:04
(AFP)

Após revolta de famílias, Manaus tem enterros com caixões empilhados cancelados

Método pretendia colocar um caixão em cima do outro em valas mais profundas e foi anunciado nesta segunda-feira (27).

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Diante da repercussão negativa sobre o empilhamento dos caixões de pessoas mortas em Manaus, capital do Amazonas, a informou que não serão mais realizados sepultamento em ''sistema de camadas'' no cemitério público Nossa Senhora Aparecida.

De acordo com a administração municipal, o método pretendia colocar um caixão em cima do outro em valas mais profundas e chegou a ser divulgado nesta segunda-feira (27), mas causou revolta entre familiares dos mortos. Em novo comunicado, divulgado nesta terça, a prefeitura diz que vai manter o modelo de valas comuns, chamadas de trincheiras, "como já vinha ocorrendo, preservando a identidade dos corpos e o vínculo das famílias".

Com uma média atual de 100 sepultamentos por dia, os cemitérios públicos de Manaus registraram recorde de enterros neste domingo, quando 140 enterros foram feitos em 24 horas. Até esta segunda, o Amazonas já registrava mais de 3,9 mil casos de Covid-19 - com 320 mortes.

No sistema atual, são realizados cinco sepultamentos por vez, em uma vala comum, com os caixões posicionados lado a lado. Na noite desta segunda-feira aconteceram enterros de noite no cemitério. Segundo a prefeitura, caso haja a necessidade para atender a demanda do dia os enterros serão "estendidos para as famílias que já estão no interior do espaço".

Ao anunciar o empilhamento de caixões nesta segunda (27) a Prefeitura de Manaus afirmou que a medida tinha sido tomada por conta da alta demanda de enterros na capital e para atender a projeção de mais enterros. Ao longo do dia, de acordo com o portal G1, foram registrados 109 enterros na capital e nove cremações. 

Sepultamentos em números

  • 09/4 – 39 sepultamentos 39 / 3 por Covid-19
  • 10/4 – 47 sepultamentos / 5 por Covid-19
  • 11/4 – 51 sepultamentos / 10 por Covid-19
  • 12/4 – 64 sepultamentos / 6 por Covid-19
  • 13/4 – 58 sepultamentos / 5 por Covid-19
  • 14/4 – 64 sepultamentos / 4 por Covid-19
  • 15/4 – 88 sepultamentos / 7 por Covid-19
  • 16/4 – 75 sepultamentos / 4 por Covid-19
  • 17/4 – 96 sepultamentos / 3 por Covid-19
  • 18/4 – 89 sepultamentos / 6 por Covid-19
  • 19/4 – 122 sepultamentos / 6 por Covid-19
  • 20/4 – 104 sepultamentos / 9 por Covid-19
  • 21/4 – 136 sepultamentos / 4 por Covid-19
  • 22/4 – 120 sepultamentos / 7 por Covid-19
  • 23/4 – 135 sepultamentos / 12 por Covid-19
  • 24/4 – 128 sepultamentos / 13 por Covid-19
  • 25/4 – 98 sepultamentos / 6 por Covid-19 / 4 cremados (102 total)
  • 26/4 - 140 sepultamentos / 10 por Covid-19 / 2 cremados (142 total)
  • 27/4 - 109 sepultamentos / 10 por Covid-19 / 9 cremados (118 total)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas